Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 14 de Agosto de 2022

Zambelli diz que Doria, mandou ela engraxar botas dos militares

Por Tribuna em 30/05/2021
Zambelli diz que Doria, mandou ela engraxar botas dos militares

Esse final de semana está agitado, depois do bate boca entre a Deputada Zambelli e o Governador presidenciável Doria, a oposição aceita pedido do presidente esquece o “fique em casa” e vai para as ruas!

O governador de Doria (PSDB), e a deputada federal Zambelli (PSL) na inauguração de um conjunto habitacional da capital paulista, financiado pelos governos federal e estadual.

Durante discurso em que a deputada dizia que Bolsonaro "não destruiu empregos", Doria, se enfureceu e gritou "Ele destruiu vidas, destruiu com vidas!". "Genocida!", afirmou Doria, seguido de aplausos e vaias à deputada por parte da plateia.

Zambelli afirmou que era "natural" uma intervenção por parte de quem já a mandou "engraxar botas de militares".

No Twitter, após o evento, Zambelli afirmou que "Doria interrompeu" seu discurso e "gritou feito louco".

Radicais estragam o debate e desqualificam todos os atos democráticos.

Depois da briga dos ditos conservadores de direita, no sábado foi a vez dos contrários a Bolsonaro se manifestarem em ato público, porém os radicais tanto da direita, como os da esquerda que não representam a maioria, nem da direita e nem da esquerda, mais uma vez destruíram o espetáculo, de um lado no Recife a polícia insubordinada ao governador ataca os manifestantes que faziam a passeata pacificamente, do outro lado, radicais de esquerda em Terezina fizeram seu deprimente espetáculo, com uma militante que se amarou pelada em frente uma igreja, confundindo a arte de protestar, com a falta de respeito, e pior desqualificando um ato nacional tão significativo, afinal a vacina salva vidas.

Esses radicais, tanto os ditos da direita, como da esquerda, são cria da ignorância politica, de uma sociedade que pouco investe em ciência e educação, de pessoas que querem todos os direitos e esquecem dos deveres triviais, esquecem qual é o limite da liberdade de expressão e do respeito ao próximo. Tanto a polícia que agride manifestantes, tanto manifestantes que ficam pelados afrontando os fieis de uma igreja, desqualificam o bom debate democrático entre a situação e a oposição, ou como preferem muitos entre esquerda e a direita.

Leia também: Debandagem de volta ao PT, depois de novas pesquisas para 2022

PL de deputado propõe fechamento da UERJ

Existe um pacto social pra convivência em sociedade, que coloca limite aos radicalismos, escritores como Thomas Hobbes, John Locke e Jean-Jacques Rousseau já explicavam a relação entre os seres humanos e o Estado há séculos atrás, o chamado “contrato social”.

Ocorre que com um povo sem incentivo a estudar história e filosofia e que lê muito pouco, o Brasil encontrou terreno fértil, pra lideranças que pregam o ódio entre as classes e o radicalismo crescerem, e a intolerância de um lado passou a gerar a intolerância do outro lado, fazendo acabar o dialogo e jogando o país numa política suicida para todos.

Como dizia o filósofo inglês Herbert Spencer "A liberdade de cada um termina onde começa a liberdade do outro", ou seja, a pessoa tem liberdade de fazer o que quiser da própria vida e até opinar na vida do outro indivíduo, desde que tenha o respeito.

Da Redação/Por Ralph Lichotti Imagem: internet

Aguarde..