Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 22 de Setembro de 2021

Verdade suprema do STF para Bolsonaro: mentira contada mil vezes não vira verdade

Supremo Tribunal Federal reforça nas redes esclarecimento sobre competência conjunta da União, estados e municípios no combate à pandemia em alerta contra notícias falsas de que a Corte teria proibido o governo federal de atuar no enfrentamento da Covid-19

Por Tribuna em 28/07/2021
Verdade suprema do STF para Bolsonaro: mentira contada mil vezes não vira verdade

DA REDAÇÃO - Primeiro foi o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que “desenhou” para o presidente Jair Bolsonaro como funciona o sistema de verificação durante a apuração dos votos por causa da sua insistência em dizer que as urnas eletrônicas não são confiáveis. Agora, mais uma vez, o Supremo Tribunal Federal (STF) voltar a publicar um vídeo onde desmonta, ponto por ponto uma das mais graves mentiras propagadas pelo presidente da República, políticos da sua base e apoiadores em geral, que é a de que o STF proibiu o governo federal de atuar no enfrentamento da Covid-19

O novo vídeo da série #VerdadesdoSTF, busca conscientizar a sociedade sobre a importância da checagem de fatos, a fim de evitar a propagação de fake news. A peça divulgada nas redes sociais da Corte reforça o esclarecimento sobre decisão na Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6341, que reconheceu a competência concorrente de estados, DF, municípios e União no combate à pandemia de Covid-19.

Notícias falsas deturpam a decisão, alegando que o Supremo proibiu o governo federal de agir no enfrentamento da pandemia. No entanto, a Secretaria de Comunicação Social do STF já havia publicado esclarecimento sobre o caso no início do ano, destacando o entendimento do colegiado. Essa e outras checagens estão publicadas na seção do portal “#VerdadesdoSTF” para alertar sobre a importância da verificação de informações suspeitas.

Na área, é possível conferir a lista com as mais recentes notícias desmentindo boatos e fake news sobre o Supremo. (Com informações do STF)

Aguarde..