Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 30 de Junho de 2022

Quem ofende as fileiras, por Manuel Domingos Neto

Luís Barroso, na verdade, prestou grande serviço às fileiras. Dizendo que estariam sendo orientadas, negou a alternativa de os comandantes serem orientadores

Por Tribuna em 26/04/2022
Quem ofende as fileiras, por Manuel Domingos Neto

A ser verdade que tenham “consultado” oficiais sobre o acatamento do resultado das urnas, Lula e Nelson Jobim agrediram as Forças Armadas: admitiram que os comandantes poderiam atuar à margem da lei. Não cabe a generais manifestação a respeito do gosto do eleitor, que materializa o princípio constitucional da soberania popular.

Ao que eu saiba, nem Lula nem Jobim confirmaram o que a imprensa noticiou. Os comandantes não reagiram. Fosse verdade, perceberiam a agressão?

Eis que, ontem, 24 de abril, o Ministro da Defesa acusa um ministro do STF de ofender seriamente as Forças Armadas. Luís Barroso disse que as fileiras estariam sendo orientadas para atacar o sistema eleitoral.

Neste caso, o Ministro da Defesa reage rapidamente. Declara que as corporações seguem o padrão republicano e que o Ministro teria afetado “a ética, a harmonia e o respeito as instituições”.

Como explicar reações tão distintas?

A política sempre conviveu com a hipocrisia e os militares aprendem desde sempre a dissimulação. Quem melhor camufla intenções leva vantagem na guerra. Dissimulação e camuflagem são matérias obrigatórias no aprendizado militar. Nestes tempos tormentosos, a cidadania sofre para entender o que se passa.

Luís Barroso, na verdade, prestou grande serviço às fileiras. Dizendo que estariam sendo orientadas, negou a alternativa de os comandantes serem orientadores; reforçou a versão que os isenta de responsabilidade pela tragédia brasileira. Essa versão pretende ignorar que o atual presidente foi formado no quartel e dele recebeu apoio. Ignora também que, em seu governo, os militares, consorciados com outros atores, firmam diretrizes perversas e administram sua implementação.

Fingindo advertir as fileiras, Barroso ajudou a limpar a farda suja.

O que pretende o Ministro falando sobre o que não lhe compete? A cumplicidade do Supremo com a degradação institucional é histórica.

O mesmo se pode dizer de comandantes militares que insistem em posar de imaculados após secular e tenebrosa trajetória de interferências na vida brasileira.

O general Paulo Sérgio diz que as Forças Armadas atenderam “republicanamente” ao convite para integrar a Comissão de Transparência das Eleições. Esquecidos do preparo para enfrentar estrangeiros cobiçosos, os militares se meteram onde não deviam.

O general disse: “eleições são questão de soberania e segurança nacional”. Tanto tempo de quartel e não aprendeu a distinguir conceitos elementares!

No clima de desmoralização acentuada das fileiras, o Ministro assegurou que as Forças Armadas contam com o respeito da população e martelou: “desde o seu nascedouro, (as FFAA) têm uma história de séculos de dedicação a bem servir à Pátria e ao Povo brasileiro, quer na defesa do País, quer na contribuição para o desenvolvimento nacional e para o bem-estar dos brasileiros”.

Por que as maiúsculas nos termos pátria, povo e país? Seria instituições? Como identificá-las? O cacoete castrense das maiúsculas exibe noções confusas e indigência intelectual.

A nota assinada pelo general Paulo Sérgio amplia a confusão, agrava o clima de incerteza e expõe a crise de identidade das fileiras: é uma pretensa permissão para que continuem interferindo no processo político.

Quem ofende as Corporações militares brasileiras são seus comandantes que, dilapidando recursos públicos, descuidam da defesa nacional, perdidos entre papéis incompatíveis. Duzentos anos após a Independência, os comandantes ainda não resolveram o que pretendem ser na vida, se militares, políticos, policiais ou administradores públicos.

Sugestão aos generais: recolham-se, aguardem as determinações do comandante supremo que será definido nas urnas.

Enquanto isso, reflitam sobre o seu fracasso em dotar o país de autonomia básica em armas e equipamentos para encarar o estrangeiro que não desiste de levar nossas riquezas e se beneficiar com nosso suor.

Manuel Domingos Neto nasceu em Fortaleza em 1949. Graduou-se em História pela Universidade de Paris VI, em 1976. Obteve o título de Mestre em Sociedade e Economia na América Latina, pela Universidade de Paris III, em 1976, e o título de Doutor em História pela mesma universidade, em 1979. Foi pesquisador da Casa de Rui Barbosa, superintendente da Fundação Centro de Pesquisas Econômicas e Sociais do Piauí, estado pelo qual também foi deputado federal. Professor da Universidade Federal do Ceará e professor associado da Universidade Federal Fluminense, foi também vice-presidente do CNPq e presidente da Associação Brasileira de Estudos de Defesa (ABED).

Texto publicado originalmente no Facebbok do autor e reproduzido no site GGN

Aguarde..