Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 04 de Julho de 2022

PMB NEGOU FILIAÇÃO DE BOLSONARO

BRASIL 35, SERÁ QUE HÁ LUZ NO FIM DO TÚNEL. A política sempre nos surpreendendo!

Por Tribuna em 03/04/2022
PMB NEGOU FILIAÇÃO DE BOLSONARO

A Equipe da Tribuna não tem medido esforços para compreender de forma apropriada as peregrinações partidárias das prévias eleitorais de 2022, de modo que possa cumprir seu papel social de comunicar com maior eficácia, lucidez e destreza, sem prejuízo de uma notícia sempre imparcial, impessoal, laica, ética e neutra, sempre observando todos os pontos de vista.

Neste contexto, surpreendeu-nos quando nos vimos diante de uma informação extremamente relevante para o cenário político atual, mas que inexplicavelmente passou despercebida dos olhares sempre atentos de quem comenta e cobre a política brasileira, inclusive aos nossos.

Talvez tão impregnados que estamos com a discussão polarizada entre Bolsonaro e Lula, Direita e Esquerda, não nos aprofundamos adequadamente ao contexto de todas as informações derivadas do extenso enredo político brasileiro, sendo certo que não investigamos a grande maioria das notícias em sua origem. É exatamente essa a hipótese em questão.

A informação que aqui tratamos diz respeito ao antigo Partido da Mulher Brasileira (PMB), o agora Partido Brasil 35, àquele que quase abrigou o Presidente Bolsonaro para disputa das eleições de 2022 antes que o mesmo se filiasse ao PL. A verdade é que não seria uma notícia tão relevante não fosse pelo fato de se tratar de uma decisão partidária absolutamente inesperada e improvável, senão vejamos:

Fontes importantes correligionárias do referido Partido dão conta de que não teria sido Bolsonaro quem dispensou o Partido, que aliás, tinha a sua preferência. Teria sido exatamente o oposto, ou seja, o partido que teria cordialmente denegado o ingresso de Bolsonaro, mas não divulgou ostensivamente a decisão para não gerar ressentimentos e até mesmo por respeito ao interesse honroso do Presidente.

Segundas estas mesmas fontes, o partido jamais iria atender as supostas exigências de Bolsonaro, dentre as quais, a principal seria a de coligar com o PL e mantê-los no cerne do governo e da campanha, levando o partido a ser tão-somente uma sigla de aluguel, o que poderia leva-lo a ter provavelmente o mesmo destino do PSL após as eleições, independentemente do resultado.

Por este ângulo, pode-se dizer que a divulgação de uma possível filiação do Presidente seria uma pressão indireta para que o partido recuasse e aceitasse as suas condições. Em outras palavras, Bolsonaro queria supostamente estar no antigo PMB para matar vários coelhos com uma mesma cajadada, pois que traria a reboque o PL mantendo sua parceria, possivelmente reduziria sua elevada rejeição com o público feminino devido as características da sigla e de quebra ainda permitiria um discurso de que não estaria se vendendo ao Centrão, mas, na pratica, sem deixar de tê-los no governo e o apoiando em contrapartida.

Excepcionalmente para Bolsonaro ou admiravelmente para o Brasil 35, a movimentação partidária tentada não deu certo, mas essa não é per si a questão que mais chama atenção neste enredo.

O que de fato é muito surpreende no bojo desta informação é que o partido tomou uma decisão extremamente lúcida e muito corajosa, pois se for verdade, os dirigentes da sigla preferiram não se render aos jogos e negociatas da política, sem com isso buscar holofotes e gritar a todos os cantos que é honesto, como se fosse isso um grande favor ao povo e não uma obrigação sua, tudo convergindo em uma atitude atipicamente ética e séria, que a propósito, é raríssimamente vista nos dias de hoje na política brasileira. Em verdade, conduta jamais vista entre os partidos.

Internamente no partido, há quem diga ainda que a sua dirigente máxima entendeu que embora a entrada de Bolsonaro pudesse render a sigla bons resultados políticos e que ter o Presidente na sigla seria uma grande honra, o fato é que pragmaticamente seria uma grande contradição tê-lo na legenda, afinal de contas, Bolsonaro não tem um bom retrospecto dentre o eleitorado feminino, e algumas falas suas não foram superadas além disso.

Nada obstante toda esta conjuntura inesperada, ainda mais surpreendente é o fato de que, além de tudo, o partido preteriu o Presidente por outro provável candidato, o que, aí sim, se confirmado, chama muita atenção principalmente por se tratar de uma decisão absolutamente imprevisível e dificílimo de sustentar internamente, mas que parece verdade ter acontecido.

As mesmas fontes dizem que a Direção do Partido também teria preterido Bolsonaro porque já tinha um nome de fora da política e sem fama, mas que considera mais valioso porque tem nas mãos um grande projeto de modernização da gestão pública, de reformulação da base de desenvolvimento humano e social, e porque defende o diálogo entre as instituições e a ética entre os poderes como instrumento para o melhor funcionamento federativo.

Outro fator que parece ter feito o partido preterir Bolsonaro e optar por uma candidatura renovada, é que supostamente o outro candidato teria uma biografia que aparenta ser capaz de debater tanto com a direita quanto com a esquerda, sem impor um tom bélico no discurso.

Segundo as informações obtidas, o suposto candidato seria fiel a dados e informações concretas, pautando seu discurso político em estudos contextualizados decorrentes de mapeamentos científicos e acadêmicos conduzidos por ele próprio e sua equipe, tornando sua defesa mais legítima e com maior probabilidade de convencimento técnico e político.

Há, inclusive, quem especule que o suposto nome estaria conduzindo o maior estudo independente sobre o funcionamento do judiciário, como o mesmo impacta na economia e na geração de empregos, o qual, em tese, reuniria informações judiciais capazes de levar o STF e o Legislativo a repensar com urgência inédita toda a estrutura funcional do judiciário brasileiro, sobretudo a trabalhista, de modo a torna-lo mais eficaz e verdadeiramente mais justo e equânime nas sentenças.

Segundo informações complementares a respeito, haveria ainda uma suposta equipe composta por importantes quadros científicos que vem atuando seriamente desde 2018 na construção de um programa de gestão federativa moderno, ousado e inovador para ser ofertado nas eleições de 2022, mas com foco em 2026. As fontes revelaram que um desses quadros é um dos responsáveis pela modernização e melhoria da qualidade de vida da gestão do Município de Niterói (RJ), que vem alcançando resultados expressivos no IDH seguidamente nos últimos oito anos. Seria este, inclusive, um dos motivos principais pela recusa a Bolsonaro.

Ao que nos foi possível perceber, o Partido teria preferido um caminho diferente para si com base nos resultados da eleição de 2018, pela qual o eleitor demonstrou inequívoco sentimento de mudança, apostando, a partir daí na elevadíssima rejeição dos políticos mais tradicionais.

As fontes dizem claramente que o voo solo do partido se sustenta porque, nas palavras deles:
Em verdade, a tradução das mensagens eleitorais nos mostra muito claramente que o povo quer uma política mais séria, decisivamente técnica, avessa a eventuais aventuras populistas, e, neste sentido, que persiga uma transformação verdadeira, que possa de fato gerar a melhoria da qualidade de vida do cidadão.

Desta forma, sensível ao desejo do povo, nosso foco primeiro e único, o Partido Brasil 35 se pôs a campo a fim de lograr uma candidatura que realmente se conecte com a mensagem transmitida pelas urnas em 2018 e 2020, de modo a que não seja nas eleições de 2022 imposto ao eleitor o mesmo status quo político-eleitoral de outrora, ou seja, a tal que o cidadão não seja forçado a votar em branco, nulo ou em um candidato que não atenda suas expectativas por entender não haver alternativas melhores. A ideia é, portanto, oferecer ao cidadão brasileiro a possibilidade real de empreender um voto de propriedade e de qualidade.

Ainda que o partido não vença, ao menos sabe que fez a escolha certa segundo as fontes, que, aliás, ainda afirmam que o possível nome teria um discurso forte e acolhedor, empolgante, jovial, mas apropriadamente técnico, decerto que tem o melhor plano de governo a disposição dentre todos, o que levou o partido a preferi-lo diante da tentadora ideia de ter um Presidente na Sigla e a inclusive mudar o nome da legenda.

Segundo as fontes, a possível candidatura do Partido será muito mais promissora não somente no curto prazo, mas no médio e longo prazo, e poderá repercutir positivamente na política nos próximos anos, cuja reforma sabidamente é indispensável e inadiável.

Aparentemente, por uma questão específica de estratégia de marketing e também para evitar os ataques de ambos extremos políticos, a biografia da equipe que comporá a possível candidatura presidencial do Brasil 35 terá os nomes envolvidos preservados, mas segundo nossas pesquisas, o nome certamente é de fora da política e possui profunda experiência sobre a mesma, inclusive com relatos de vitórias históricas em eleições regionais. Vejamos se as cenas dos próximos capítulos desta reveladora e surpreendente história confirmará a expectativa do partido.

Fato é que, a se confirmar essas informações, de se reconhecer que nos tempos em que a política se mostra cada vez mais caricata, em cujos políticos e partidos se atacam mediante uma belicosidade jamais vista; nos dias em que a fakenews serve para desonrar pessoas, manchar biografias, julgar caráteres, sempre pondo a verdade em cheque.

Enfim, nestes tempos sombrios onde a polarização é cultuada por ódio em ambos extremos, onde racionalidade ou prudência estão completamente de lado, é extremamente reconfortante saber que um partido adotou uma postura como a especulada, visivelmente ética, focada no que o eleitor quer e não nos interesses pessoais de seus dirigentes e correligionários, afinal, muitos são os partidos que jamais adotaria uma posição como a adotada pelo antigo PMB.

Nós que tanto criticamos os partidos, devemos reconhecer quando há uma luz no final do túnel aparentemente. Tomara que não sejamos surpreendidos com um sonoro contradito das fontes, o que de verdade, aí sim, em nada nos surpreenderia.

Por fim, ficaremos atentos ao movimento do partido para saber se esse nome existe, e se sim, quando será revelado, e quando for, qual seria a proposta tão renovada trazida por ele e sua equipe.

Esperemos as cenas dos próximos capítulos.

Aguarde..