Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 30 de Junho de 2022

Ódio ao pobre de hoje é o ódio devotado ao escravo de antes e Lula canaliza esse ódio irracional

Cerimônia de casamento de Lula ganhou uma cobertura invasiva e especulativa demonstrando que a imprensa oligárquica é o canal que alimenta o preconceito no Brasil

Por Tribuna em 19/05/2022
Ódio ao pobre de hoje é o ódio devotado ao escravo de antes e Lula canaliza esse ódio irracional

Por Ricardo Souza - O título da matéria é parte de uma citação do livro A Elite do Atraso, do sociólogo Jessé Souza, página 70 e explica, de forma sucinta, o sentimento que habita boa parte dos brasileiros incluindo quem se imagina democrático, mas é tão reacionário e racista como atual mandatário do país.

A autoproclamada “imprensa profissional” é o canal que intermedia e irradia esse sentimento que é operado pela “elite” e se espraia pela classe média, como ficou provado na cobertura do casamento entre o ex-presidente Lula e a socióloga Rosângela Silva, mais conhecida como Janja.

De “presente” da grande mídia, o casal ganhou uma cobertura invasiva e especulativa, já que as redações decidiram calcular os gastos da festa na base do chutômetro. Os outrora jornalões miraram na suposta “ostentação” do casório, e acertaram na exposição da própria ojeriza em relação a Lula e ao PT.

A cobertura preconceituosa da imprensa não passou despercebida aos olhos dos críticos na internet. No Twitter, são incontáveis as mensagens questionando a “força-tarefa” destacada por alguns jornais para “investigar” os gastos de Lula, enquanto o País tem assuntos mais sérios para serem tratados.

“Depois do casamento do Lula os jornais podiam usar essa força tarefa que hoje investiga o preço do canapé da festa pra investigar, sei lá, os gastos do cartão do Bolsonaro ou do orçamento secreto. Acho que ia ser mais útil”, observou o perfil Agenda do Jair.

A saga do espumante
Lula e Janja tentaram manter o máximo de discrição sobre o casamento, mas a cobertura ganhou uma outra dimensão a partir do momento em que a coluna de Léo Dias, no site Metrópoles, alegou ter tido acesso a uma lista de bebidas que o casal supostamente vai comprar por conta própria. A matéria divulgada no último final de semana foi feita no chutômetro – e não está muito claro o esforço para, pelo menos, mirar dentro do gol.

A coluna diz, por exemplo, que Lula compraria, entre outros itens, 114 garrafas do espumante “tradicional Cave Geisse, o Brut”, cujo preço pode variar de R$ 800 a R$ 135, segundo sites varejistas consultados pela reportagem. A coluna admite não saber qual seria o preço correto do rótulo escolhido pelo casal. Mas chutou que Lula – candidato a presidente em 2022 – compraria uma centena de espumantes ao custo de R$ 800 cada uma garrafa, a coluna fez as contas e chegou ao valor final de mais de R$ 100 mil gastos só em bebidas. Uma “ostentação”, disse a coluna, que preferiu fazer o cálculo usando o Brut mais caro. Assim mesmo, na suposição.

A coluna teria feito estimativa mais próxima da realidade se tivesse consultado uma assessoria de casamento. Descobriria, por exemplo, que bebidas para festas do gênero geralmente são compradas em lotes que reduzem o valor por unidade.

Outro detalhe que quem já casou sabe, mas passou longe da “investigação” da grande mídia: casamentos são ainda mais caros quando ocorrem numa noite de sexta-feira e aos sábados. Casar em buffet no meio da semana já é um sinal de economia. Mas esse tipo de detalhe não vem ao caso quando o intuito é mostrar ostentação.

O jornalista George Marques, que cobre Brasília, não deixou passar batido e refutou em seu perfil nas redes sociais:

“A hipocrisia é o que tem reinado no país desgovernado por Bolsonaro. Tô vendo gente supostamente indignada com o vinho de 90 reais do casamento do Lula, mas calado sobre os milhões torrados pelo presidente no cartão corporativo. Ingenuidade ou má fé? JAIR GASTA O BRASIL PAGA”

A assessoria de imprensa de Lula não divulgou dados para rebater o festival de matérias feitas no chutômetro, mas garantiu que a festa ocorrerá sem “exorbitâncias”. Mais importante: reafirmou que será paga com recursos próprios do casal, e não com dinheiro público. Deveria bastar para reduzir a ânsia da imprensa, mas não.

Nesta quarta, UOL chutou também o valor da suíte do hotel “cinco estrelas” onde Lula e Janja passarão a noite de núpcias, em São Paulo: R$ 3 mil, afirma a manchete do site. Indo atrás de funcionários do hotel, descobriram que Dilma Rousseff está hospedada no local e pagou pela própria estadia “à vista”. Com recursos próprios. O humorista Paulo Vieira, presente ao casório do Amor contra Ódio tirou sarro da notícia:

“Desculpa, gente, eu achei baratíssima essa diária pra noite nupcial de um presidenciável se eu que não sou ninguém botei minha namorada no Palácio Tangará… tô achando lulão muito do OMILDE.”

Ainda no UOL, uma matéria lembrando dos outros dois casamentos de Lula e dizendo que o ex-presidente já ofereceu festas “mais modestas”. Pelo que se depreende da leitura, a “ostentação” que a grande mídia está vendo deve ter relação com o primeiro casamento de Lula.

Na ocasião Lula tinha 23 anos e se casou com Maria de Lourdes, sua namorada desde os 18 anos no dia 25 de maio de 1969. A cerimônia, de acordo com a biografia do petista, foi simples, na casa de Dona Lindu (mãe de Lula), "com churrasquinho e guaraná".

Com Dona Marisa o ex-presidente se casou no dia em 25 de maio de 1974 e a união durou 30 anos até a morte da ex-primeira-dama por um AVC no auge da Lava-Jato, cujo procuradores debocharam de sua morte.

Hoje, Lula tem 76 anos, foi presidente do Brasil por duas vezes e após deixar a presidência realizava as palestras mais caras do planeta só comparadas às de Bill Clinton, ex-presidente dos Estados Unidos, mas para a “imprensa profissional” Lula tinha que se casar como há mais de 50 anos ou, para boa parte dela, que permanecesse preso eternamente pela farsa operada pelo juiz suspeito Sergio Moro, o herói de areia do ódio de classes e da hipocrisia nacional.

Para o professor de Economia da UFF, Uallace Moreira, a questão é Lula dar a volta por cima incomoda “a Casa Grande”, como registrou em seu Twitter abaixo:

“O ex-presidente Lula:

1.Perdeu dona Marisa. Faleceu depois da perseguição judicial e da grande imprensa à sua família

2.Preso com atropelo do processo legal

3. Perdeu irmão e o neto, enquanto estava preso

Mas não pode fazer a festa de casamento porque incomoda a Casa Grande.”

O perfil Ana Vilarino resumiu o sentimento que habita corações e mentes que se imaginam os melhores intencionados, mas que não sabem como são doentes:

“Todo sensacionalismo da grande mídia em torno do casamento do Lula tem uma única razão: ÓDIO DE CLASSES.”

Segundo a grande mídia, ninguém “confirma nem desmente” as informações até agora publicadas sobre o casamento de Lula. É tudo “segredo”. A festa seria tão reservada que os convidados foram proibidos de entrar com celular.

Jornalista, pós-graduado em História e Jornalismo, Tiago Barbosa resumiu o triste papel da imprensa que apoiou a ditadura militar de 1964 e o golpe de Estado de 2016 que nos colocou nos braços de um admirador do nazismo, da ditadura e de torturadores.

“O casamento de Lula é um daqueles momentos marcantes da comunicação quando jornalistas apodrecidos no submundo do esgoto midiático produzem o arsenal de estupidez pelo qual ficarão marcados como indigentes pelo resto da miserável vida pessoal e profissional. É o apogeu do lixo.”

Lixo não reciclável, observa o escriba que assina a matéria.
(
com informações do Jornal GGN)

Aguarde..