Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 28 de Maio de 2022

O gás vilão e na CEG (leia-se Naturgy) tudo parado. Por que será?

Embora não diretamente, o reajuste do gás natural deverá provocar aumento nos preços de produtos como fertilizantes, vidro, papel, produtos químicos, cerâmica, cimento e alumínio

Por Tribuna em 03/05/2021
O gás vilão e na CEG (leia-se Naturgy) tudo parado. Por que será?

Presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou a Lei n° 14.134/2021, conhecida como a Nova Lei do Gás. A lei é uma aspiração do setor e envolveu agentes da indústria, especialistas, academia, sociedade civil, entre outros segmentos que integram o setor de gás natural brasileiro. 

A nova lei faz uma ampla revisão do marco legal em prol da formação de um mercado de gás natural aberto, dinâmico e competitivo. Nessa linha, também visa promover a concorrência entre fornecedores e a consequente redução no preço final do gás natural para o consumidor. O novo marco substitui a Lei no 11.909, de 4 de março de 2009, que não conseguiu promover a atração de novos agentes para o mercado. 

O preço exorbitado? 

Agora as autoridades do mundo da energia pagam, anunciam que os preços de gás natural da Petrobras também incluem o repasse dos custos incorridos pela companhia para o transporte do energético até o ponto de entrega às distribuidoras, que são definidos por tarifas reguladas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Esta parcela do preço é atualizada anualmente no mês de maio pelo IGP-M, que, para o período de aferição (março de 2020 a março de 2021), registrou alta de 31%", afirmou em comunicado. 

Leia também: Urgente: prefeito de São Paulo é internado em UTI após apresentar sangramento

CPI da Covid poderá investigar construção de submarino por R$ 52,5 bi em plena pandemia

Embora não diretamente, o reajuste do gás natural deverá provocar aumento nos preços de produtos como fertilizantes, vidro, papel, produtos químicos, cerâmica, cimento e alumínio. Essas empresas devem sentir o maior impacto do aumento do gás. 

O consumidor também deve ser afetado pelo reajuste do gás de cozinha. O material não é usado como todo no cálculo do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), mas influência em seu preço final. Atualmente, o GLP custa, em média, R$ 105, valor bem mais alto se comparado ao anunciado pelo Ministro da Economia Paulo Guedes que garantia o bujão a R$ 35 reais. 

Naturgy inerte e no silêncio total 

Na hostess da Ceg (leia-se Naturgy), tudo parado, ninguém vende, ninguém compra e milhões de consumidores já esboçam falta de credibilidade na empresa, que tem um passado nada salutar quanto à prestação de serviços. Bares, restaurantes e outros, que já estão sendo visitados pelos agentes da empresa, temem para ressaca do gás nos terminais e dutos da empresa. 

A alteração nos valores do gás natural também deve mexer com o valor das contas de energia em casas abastecidas por usinas termelétricas. O custo para geração térmica apresenta tendência de subida, que pode ser repassado aos preços pelas distribuidoras de energia, elevando o preço da conta para o consumidor final. Para quem possui carro movido a Gás natural Veicular (GNV) também devem pesar no bolso do motorista. O combustível utiliza o gás natural para conseguir abastecer o carro. O reajuste, no entanto, depende das distribuidoras e dos estabelecimentos autorizados para a venda do produto. 

Fonte: Site Naturgy/Ministério das Minas e Energia/Imagem: Internet. 

Publicidade
Aguarde..