Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 30 de Junho de 2022

O DIÁLOGO DO MAIS FORTE

Por Marco Aurélio Vieira - Março de 2022

Por Tribuna em 11/03/2022
O DIÁLOGO DO MAIS FORTE

“... deveis saber tanto quanto nós que o justo, nas discussões entre os homens, só prevalece quando os interesses de ambos os lados são compatíveis, e que os fortes exercem o poder e os fracos se submetem”.

O trecho acima é parte da resposta ateniense do chamado diálogo meliano, transcrito do livro de Tucídides sobre a guerra do Peloponeso, travada entre Esparta e Atenas, no Século V aC.

É um texto clássico do realismo político, teoria que prioriza as ações pragmáticas nas relações políticas. O diálogo ocorre quando Atenas ameaça atacar a ilha de Melos (ou Milo, a mesma da Vênus), uma colônia de Esparta.

Os mélios, baseando-se em argumentos lógicos, propõem a neutralidade da ilha, enquanto os atenienses, cientes de sua superioridade, tentam impor uma rendição incondicional. Melos argumenta que render-se não fazia sentido, porque lutando ao menos haveria uma chance de manter a liberdade, enquanto a rendição era a certeza da escravidão.

Em um último apelo à razão Melos suplica: “Então vós não consentiríeis em deixar-nos tranquilos e em sermos amigos em vez de inimigos, sem nos aliarmos a qualquer dos lados?” A resposta dos atenienses mostrou todo o pragmatismo de sua prepotência:

“Não, pois vossa hostilidade não nos prejudicaria tanto quanto vossa amizade; com efeito, aos olhos de nossos súditos esta seria uma prova de nossa fraqueza, enquanto o vosso ódio é uma demonstração de nossa força”.

Melos foi então impiedosamente atacada pelos atenienses: todos os homens adultos foram executados, as mulheres e crianças vendidas como escravos e colonos atenienses ocuparam a cidade.

Desde os tempos imemoriais, os mais fracos e os diferentes têm suas razões e sua humanidade negadas, o que em tese aparentemente tem justificado a sua exploração ou extermínio, sem maiores contemplações.

Historicamente, a razão em si não tem servido de base para a moral, e não se observam grandes comoções quando acontece a violência contra povos ou nações que não se enquadram na lógica dos interesses das grandes potências econômicas e militares.

Assim, os Hebreus foram escravizados pelos Egípcios, César submeteu os Gauleses, a Espanha exterminou Incas e Astecas, e Hitler ocupou os Sudetos, diante dos dirigentes mundiais omissos, e de um Chamberlain iludido pelas promessas de paz nazistas. Assim foi a gênese dos países europeus contemporâneos: quase nunca democrática, e praticamente forjada pela imposição da força.

Hoje, assistimos a reprise macabra da encenação do sutil diálogo do mais forte.

De um lado a Rússia, senhora de poder bem superior e patentes argumentos de suas intenções em força, e do outro a Ucrânia, dotada de parcos meios militares para sua defesa, e gritando aos quatro ventos sua flagrante fragilidade.

Putin é um dos atuais chefes de estado de maior perspicácia geopolítica do planeta. Com iniciativas estratégicas oportunas, e uma teatral postura tirânica, ele vem colocando a Rússia sempre um passo à frente no tabuleiro político internacional, acuando seguidas vezes a Europa e os EUA para o canto dos movimentos defensivos e das reações improvisadas.

E sem dúvida, ele se preparou para essa guerra absurda contra a Ucrânia, aumentando seu poderio bélico, estocando reservas estratégicas, planejando a manobra das tropas, prevendo as possíveis reações da opinião pública, dentro e fora da Rússia.

Entretanto, o mundo globalizado tornou a guerra um evento “conectado”, e talvez Putin tenha subestimado algumas das novas intervenientes no equilíbrio de poder das nações.

Até recentemente esse equilíbrio estava calcado em grande parte simplesmente no poderio militar. Hoje, trata-se de uma combinação de poder econômico e militar, aliado à superioridade no espectro digital e a uma elevada capacidade de comunicação. E surgiu uma nova arma no campo de batalha, a chamada geoeconomia, capaz de promover a projeção regional ou global de poder através de intervenções no sistema financeiro mundial, da regulação do comércio internacional e da imposição de sanções econômicas.

Os conflitos passaram a envolver ainda o domínio das narrativas nas redes sociais, a capacidade de desencadear ciberataques de oportunidade, e até a compra do apoio estrangeiro indireto, para a conquista dos objetivos geopolíticos.

Agora, a tática da terra arrasada adotada pelo exército russo contra a Ucrânia – e seus incalculáveis danos colaterais – vão se contrapor ao bombardeio cirúrgico dos “mísseis geoeconômicos” lançados sobre a Rússia, por outras nações e mesmo por empresas privadas do mundo todo. Embargos, boicotes, suspensão das operações em território russo, desabastecimento, isolamento internacional, hostilidades previstas mas talvez mal dimensionadas por Putin, vão afetar duramente a desavisada população russa, de forma surda, inexorável e com capacidade de estragos no longo prazo até superiores aos das ações militares clássicas. Sim, ainda permanece válida a máxima da realpolitk dos gregos:

“Os fortes fazem o que podem e os fracos sofrem o que devem”. Mas, no mundo conectado o diálogo do mais forte envolve múltiplos interlocutores, oprimidos e opressores não têm nacionalidade, e o poder não está mais só nas armas.

General de Divisão

Foi Comandante da Brigada de Operações Especiais e da Brigada de Infantaria Pára-quedista

 

Comentários

  • Análise abalizada de quem conhece . Parabéns
    Delmo Pereira Vieira
    12/03/2022
  • \"O poder não está mais só nas armas\", como aponta o ilustre general. Por outro lado, é impossível aceitar que no avançado estado evolutivo do mundo no qual o homem \"dominou\" o átomo, criou os antibióticos, encurtou as distâncias aéreas, varou a estratosfera, pousou e voltou da Lua, criou o chip, os circuitos eletrônicos, encontrou forma cibernética de difundir conhecimentos mediante comunicação instantânea, de disseminar a ciência, de domar a propagação de uma pandemia que no passado teria exterminado a maior parte da humanidade, e de tantos outros avanços em todas as áreas, o homem também não tenha evoluído nas relações humanas e geopolíticas, a ponto de empreender guerras, de explodir pessoas, como está ocorrendo nessa guerra, que como bem assinalou o general, é absurda. Nada a justifica, não mesmo! Mover por essa Helena outra guerra de Tróia equivale ao retorno à Idade Negra, a jogar na bacia das almas todo o processo evolutivo da humanidade.
    Lúcio Wandeck
    13/03/2022
  • Irretocável. Parabéns General.
    Luna
    13/03/2022
  • Verdadeira lição de história moderna, a partir dos tempos antigos. Com excepcional habilidade e conhecimento clássico, a guerra do Peloponeso serve de espelho às atuais atitudes bélicas da Rússia conta a Ucrânia. Isto faz lembrar a sentença do general Breno. Após tomar Roma, impôs pesadas recompensas para retirar-se e os romanos aceitaram. Todavia, a balança de pesar ouro foi adulterada e, então, os romanos começaram a queixar-se da \"ladroagem\". Ao que o general gaulês respondeu: \"Vae victis\" : \"Ai dos vencidos!\"
    clotario dantas
    13/03/2022
  • A lúcida reflexão histórica que se aplica aos dias atuais com relação ao poder bélico militar e econômico, esse último incorporado pela globalização. Palmas para o autor!!
    José Tiago Franco Assis Pereira
    13/03/2022
Aguarde..