Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 19 de Agosto de 2022

MDB do rio em convenção, seguirá com Lula no primeiro turno

O MDB fluminense é o primeiro dos 11 diretórios do estados que já manifestaram a intenção de seguir com a candidatura do líder petista

Por Tribuna em 04/08/2022
MDB do rio em convenção, seguirá com Lula no primeiro turno

Por Gustavo Kaye , da agenda do Poder  A convenção estadual do MDB do Rio de Janeiro aprovou na manhã desta quinta-feira (04) o apoio à candidatura do ex-presidente Lula, abandonando Simone Tebet, candidata oficial do partido. O MDB fluminense é o primeiro dos 11 diretórios do estados que já manifestaram a intenção de seguir com a candidatura do líder petista.

A decisão foi aprovada por unanimidade, com o voto inclusive do ex-governador Moreira Franco, ex-ministro de Michel Temer.

Na reunião foi também formalizada a indicação do ex-prefeito de Caxias Washington Reis (MDB) para ser vice do governador Cláudio Castro (PL) à disputa pela reeleição a governador do Estado.

As duas decisões, na prática, consolidam o surgimento do voto Castro-Lula, com vistas à campanha eleitoral, união que não é vista como problema pela própria direção do PT no estado.

Lula recebeu o apoio no primeiro turno de lideranças do MDB em 11 estados, o que além de ampliar aliança para derrotar o projeto de reeleição de Bolsonaro, também sinalizou o desembarque definitivo dessa ala do partido à pré-candidatura da senadora Simone Tebet.

Na convenção foi aprovada uma moção que valoriza a importância da união das forças democráticas do país em torno de Lula, como forma de derrotar o bolsonarismo, posição que, como fizeram questão de destacar, não significa nenhum desmerecimento à candidatura de Simone Tebet, posta pela direção do partido.

Leia íntegra da moção aprovada:

Uma candidatura para unir os brasileiros

O Brasil está vivendo um dos momentos mais difíceis de sua história. Há mais de quarenta anos nossa economia cresce de modo irregular, a taxas muito baixas e sem sinal de recuperação. Além de uma economia quase estacionária, estamos assistindo agora a um grande crescimento da pobreza e ao achatamento da renda da maioria da população. Se acrescentarmos a isto a inflação elevada e o alto nível de desemprego e de informalidade no mercado de trabalho, temos que admitir que o país precisa mudar de rumo urgentemente. Esta mudança é um trabalho para a política.

O nosso ambiente político, no entanto, está carregado de tensões e de conflitos inúteis, cujos efeitos são a paralisia do Estado e a perda de confiança da população nas instituições.

Se mantido indefinidamente, este estado de coisas vai aprofundar o divórcio entre a população e as instituições políticas, tornando impossível a formação dos consensos necessários para as mudanças de fundo que precisam ser adotadas nas políticas públicas, seja para promover um novo ciclo de crescimento, seja para corrigir as injustiças sociais que marcam tão profundamente a vida do país.

As eleições que se aproximam podem ser as mais conflituosas de toda a nossa vida democrática e podem criar divisões duradouras na sociedade, se as maiorias pacíficas e de bom senso não fizerem valer a sua voz.

Para isto é necessário que projetos imediatos de poder e diferenças de opinião sejam postos em segundo plano e que as forças da democracia e do progresso invistam sem reservas num projeto de união nacional, em torno de alguns pontos que possam constituir uma plataforma comum.

A primeira tarefa de um Governo para o Brasil neste momento tem que ser um esforço sincero e paciente de pacificação do país, começando com a renúncia à politização das questões da moral e da cultura que são, por natureza, inegociáveis e não se prestam às soluções de compromisso, que são as únicas soluções de que dispõe a política.

Um Governo para esta hora precisa aceitar ser um Governo de transição, que seja de todos e para todos e não apenas de um partido ou mesmo de uma coalização de semelhantes, cujos projetos e visões do mundo não são compartilhados pelas grandes maiorias do país.

Na crise de representação política que vivemos, nenhum dos partidos existentes tem o apoio de grandes frações da opinião pública e nenhum pode querer impor suas ideias e seu pensamento sem causar grandes traumas e conflitos. Uma coisa é ganhar uma eleição, outra muito diferente é governar em paz e com proveito para o país.

Pacificar o país exige dos vencedores capacidade de diálogo e humildade, virtudes raras no cotidiano da política, mas elementos indispensáveis para as tarefas de reconstrução da economia, da sociedade e da política, que temos a oportunidade de tentar.

O radicalismo do atual Governo e dos grupos a ele associados fomentam uma crise que pode ter graves consequências, mas também fornece oportunidade para uma aliança entre diferentes, que tenham em comum o amor à liberdade, o desejo de progresso e a compaixão pelos seus semelhantes.

Brasileiros de diferentes opiniões tem todos os motivos para se unir em torno de um candidato que, além de nos livrar dos retrocessos e da desumanidade que são a essência do atual Governo, se comprometa com sinceridade:

1 – fortalecer as instituições políticas democráticas, não para mantê-las congeladas no tempo, mas modernizando-as e adaptando-as às exigências de um mundo que muda cada vez mais rapidamente e não perdoa os retardatários;

2 – não aspirar à reconstituição do passado, consciente de que temos de procurar nosso lugar no futuro que está em gestação em todos as esferas da vida:

3 – recuperar o papel do Estado na liderança e na promoção do desenvolvimento econômico e na repartição dos frutos do progresso, do mesmo modo como o fizeram todos os países democráticos do mundo.

4 – governar em nome de todos os brasileiros e para todos os brasileiros e garantir segurança jurídica e estabilidade institucional para os que produzem e trabalham.

Uma coalizão de brasileiros, unidos por estes valores, pode evitar os males que nos ameaçam, dar fim a um momento sombrio de nossa história e lançar as bases duradouras de um verdadeiro desenvolvimento inclusivo e sustentável. Esta é uma oportunidade que não podemos perder.

A gravidade especial do momento, não qualquer desmerecimento à candidatura posta pelo MDB, nos impõe já no primeiro turno das eleições apoiar a candidatura do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o mais qualificado entre todos para governar nos termos e condições que expusemos acima. Ao fazê-lo estamos cumprindo nossos deveres com o Brasil.

 

 

Aguarde..