Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 07 de Agosto de 2022

LULA quer 1 milhão de Dallagnol e pode processar todos que chamá-lo de LADRÃO, após Lewandowski suspender 26º e última ação contra ele

Por Tribuna em 05/03/2022
LULA quer 1 milhão de Dallagnol e pode processar todos que chamá-lo de LADRÃO, após Lewandowski suspender 26º e última ação contra ele

A ação penal tratava de acusações de corrupção e tráfico de influência contra Lula na compra de caças Gripen para a Aeronáutica. Com a decisão, o caso fica praticamente encerrado.

A investigação começou durante a chamada Operação Zelotes, da Polícia Federal, tocada pelo MPF em Brasília. Para derrubar o caso, a defesa de Lula incluiu no processo mensagens da Vaza-Jato que mostravam a atuação de procuradores da Lava-Jato para ajudar os colegas de Brasília a reunir elementos contra o petista.

Na decisão de 30 páginas, que determina o trancamento do caso, Lewandowski cita “os graves vícios que maculam as investigações conduzidas contra o reclamante pela extinta força-tarefa ‘Lava Jato’ de Curitiba no tocante à aquisição dos referidos caças, a qual produziu elementos – supostamente – probatórios, depois aproveitados, de forma acrítica e tendenciosa, pelos subscritores da denúncia apresentada perante a 10ª Vara Federal Criminal do DF”.

“Não obstante a opinião reiterada e unanimemente esposada pelos participantes desses grupos de mensagens no sentido da inconsistência dos elementos de convicção que estavam a engendrar, os integrantes da extinta ‘Lava Jato’ resolveram dar continuidade às investigações – levadas a cabo, ressalte-se, ao arrepio do ‘princípio do promotor natural’, dada a flagrante a incompetência de seus condutores – as quais acabaram resultando na formulação da denúncia ora impugnada. Para dar sequência aos seus desígnios, compreendidos no contexto daquilo que chamavam de ‘Plano Lula’ (doc. eletrônico 1013, p. 14), os Procuradores da República constituíram, em 19/9/2016, um grupo específico de troca de mensagens no aplicativo Telegram, denominado ‘Chat Caças Zelotes – LJ’, integrado por diversos membros da ‘Lava Jato'”, segue o ministro.

“Em face de todo o exposto, e considerando, em especial, que o próprio Juiz da 10ª Vara Criminal Federal do DF determinou a interrupção da marcha regular do processo, diante da gravidade dos fatos que lhe foram trazidos na exceção de suspeição, defiro o pedido formulado pela defesa para suspender cautelarmente a tramitação da Ação Penal 1016027-94.2019.4.01.3400/DF (“Caso Caças Gripen”), até o julgamento definitivo do mérito do presente pleito”, conclui o ministro.

Advogado de Lula no caso, Cristiano Zanin comemorou a decisão do magistrado do Supremo. “A robusta decisão proferida hoje pelo eminente ministro Ricardo Lewandowski acolheu os nossos fundamentos para suspender a última ação penal que havia contra Lula, reconhecendo que ela também faz parte do reprovável lawfare praticado pela lava jato contra o ex-presidente”, diz Zanin.

Livre do linchamento jurídico e moral que o levou à prisão, Lula vai atrás dos seus algozes

Após superar o mais longo e perverso caso de lawfare da história que impôs um cárcere privado de 581 dias após uma sucessão de farsas judiciais operadas pela Lava-Jato sob a coordenação do então juiz Sergio Moro, hoje considerado parcial e suspeito pelo Supremo Tribunal Federal, Luiz Inácio Lula da Silva está judicialmente livre.

E agora que superou os 25 processos, denúncias e inquéritos movidos contra ele, o presidente mais popular da história que tirou 35 milhões de brasileiros da miséria e alçou o país à condição de 6ª economia do mundo (hoje é a 12ª) ou seus advogados que desmascaram a farsa voltarão aos tribunais. 

Nas próximas vezes, porém, eles vão estar no papel de acusadores, uma vez que o ex-presidente move quatro processos contra seus carrascos na Justiça.

A jornalista Mônica Bergamo informa na Folha de S.Paulo que o primeiro julgamento ocorrerá em breve: o Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar na próxima semana o processo em que Lula pede indenização de R$ 1 milhão por danos morais contra Deltan Dallagnol.

O ex-procurador é acusado de abuso de poder ao imputar a Lula práticas de crimes com adjetivações, na famosa entrevista do PowerPoint, em 2016.

Vale lembrar que DD, como Deltan era conhecido na intimidade do grupo de Whatsapp onde procuradores da Lava-Jato conhecidos como “Filhos de Januário” combinavam seus planos de desestabilização da democracia e destilavam ódio ao presidente Lula, ficou milionário fazendo palestras em pleno curso do processo e hoje é dono de duas coberturas de luxo em Curitiba.

Porém, o mais grave de todo esse processo que se iniciou em 2013 com as chamadas “Jornadas de Julho” e culminou com o golpe de Estado contra a Presidenta Dilma Rousseff em 2016 e à prisão o ex-presidente Lula em 2018, foi a eleição de um governo militar entreguista liderado por um presidente da República despreparado para o exercício de qualquer cargo de liderança e que desde sua eleição “distrai” o país destilando ódio, racismo e todo o tipo de preconceito enquanto o país perde sua capacidade de se gerir como nação autônoma e hoje assiste, anestesiada, a população na fila do resto de osso e comprando pele de frango como se isso fosse natural.

E é lógico, com os preços da gasolina e derivados estratosféricos enquanto os acionistas internacionais da Petrobras fazem a festa com a política de preços atrelada ao mercado internacional.

Eis o saldo da Lorota Patriota que dizimou o Brasil.

Leia ainda: STF autoriza Lula a processar quem chamar ele de ladrão, VALE A PARTIR DE HOJE

Aguarde..