Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 07 de Dezembro de 2021

“Hormônio do amor”– Como funciona a ocitocina no corpo humano

Por Dra. Patrícia Janoni em 23/04/2021
“Hormônio do amor”– Como funciona a ocitocina no corpo humano

O sistema endócrino possui sete componentes, que são responsáveis pela coordenação bioquímica e biofísica dos processos orgânicos. 

Hoje abordaremos o hormônio ocitocina e os aspectos de suas ações na vida humana. 

O que é a ocitocina? 

A ocitocina é um hormônio peptídico produzido no hipotálamo e armazenado na neuro-hipófise, de onde é liberada para ação tanto no cérebro quanto em outros órgãos.  

Saliento que esse é um hormônio que influencia sobremaneira a vida humana do início ao fim, pois ele está presente na condução do trabalho de parto por meio das contrações intra uterinas, na conexão das mães e bebês através da amamentação (pois é chave essencial na liberação de leite pelas glândulas mamárias), além de afetar na escolha do parceiro, na afetividade e nas relações sexuais. 

“A ocitocina é liberada durante o orgasmo, tanto feminino quanto masculino. Na mulher promove contrações uterinas e no homem contração dos ductos seminíferos e ejeção do sêmen. A ocitocina é o hormônio do prazer e da fidelidade, sendo considerado responsável pela capacidade de manutenção de um parceiro fixo”. 
As áreas cerebrais ativadas para a produção e armazenamento da ocitocina também têm ligação com a produção e liberação de outros hormônios, como o TSH (hormônio que estimula o funcionamento da tireoide), e o FSH (hormônio que atua na regulação do ciclo menstrual) 

Mas a ação da ocitocina no cérebro humano vai além das funções reprodutivas. É o hormônio das relações, que torna a pessoa capaz de se doar por outra, de se agrupar, de se socializar. É o hormônio do altruísmo, da honestidade. 

É importante saber que a ocitocina está diretamente relacionada com o comportamento emocional dos indivíduos e a forma como eles se mantém engajados com a vida. 

Pesquisas recentes no campo das neurociências revelaram que a ocitocina é a responsável pela ética nos negócios, por isto foi recentemente chamada de “A molécula da moralidade” por Paul Zack, autor de bestseller sobre o tema. 

Qual é a importância do hormônio ocitocina? 

A ocitocina é um hormônio que provoca um profundo estímulo parassimpático aumentando a capacidade afetiva natural dos seres humanos. Sendo assim, a capacidade de socialização é resultado da ação da ocitocina.  

Portanto, não é tão difícil entender o motivo pelo qual a ocitocina é conhecida como o hormônio do amor. 

Indivíduos portadores de algumas condições comportamentais e neurológicas como transtornos do déficit de atenção, hiperatividade, autismo, esquizofrenia e outras debilidades ligadas ao sistema neurológico, são condutores de níveis baixíssimos de ocitocina. 

Existem estudos mostrando que dentre esses indivíduos portadores das comorbidades neurológicas, a suplementação de ocitocina melhora drasticamente as manifestações advindas dessas doenças.  

Ademais, a ocitocina tem uma relação muito interessante com a cognição, influenciando na memória e na capacidade de processamento neural agindo no córtex frontal e no hipocampo, áreas do cérebro responsáveis pela qualidade do pensamento e pela cognição, respectivamente. 

Impacto dos baixos níveis de ocitocina 

Em homens e mulheres, a importância do hormônio ocitocina se manifesta fundamentalmente na condução da atividade sexual, no desejo sexual e principalmente, no estabelecimento do orgasmo. 

Vale destacar que a dependência da ocitocina para o desempenho sexual não difere em níveis conforme o sexo, ou seja, ela é igual em homens e mulheres. 

Além disso, a ocitocina age sobre sistemas de controle anti-inflamatório. Como um hormônio anti-inflamatório ela tem um papel fundamental na captação de iodo pelos órgãos captadores, principalmente tireoide, mamas femininas e próstata. Desta forma, por meio da ocitocina é possível aumentar a captação de iodo para esses sistemas. 

Leia também: Melanoma: um sinal de alerta!

Envelhecimento: Idades da pele

De grande importância na composição hormonal, está totalmente relacionada com a qualidade de vida.  

Sua atuação direta, interfere na expressão emocional dos indivíduos, aumentando sua capacidade socioafetiva, promovendo relações mais saudáveis e duradouras. 

Indivíduos que, subitamente, mudam seu comportamento e passam a ter um maior grau de agressividade, tendência a evitar contato ou relações interpessoais e sociais, podem estar com uma manifestação eminente e corrigível de deficiência de ocitocina. 

No homem, este hormônio é capaz de diminuir a agressividade, embora sua atuação seja muitas vezes bloqueada pela ação da testosterona. Sendo assim, deve-se observar esse padrão. 

Hormônios vitais 

Ainda é possível encontrar, nos dias de hoje, pessoas e profissionais da área da saúde que encaram os hormônios com receio. Contudo, tais percepções não passam de falta de conhecimento sobre esses elementos, que fazem parte da nossa vida desde a gestação. 

O fato de haver sistemas endócrinos responsáveis pela gestão hormonal com manutenção da capacidade de produzirmos tais substâncias, ocorre naturalmente a fim de preservar nossa saúde. A perspectiva de que os hormônios oferecem riscos tais como; câncer, ganho de peso, entre outras alterações nesse sentido, anuncia a necessidade de atualização sobre o tema e contribuir com a desmistificação deste assunto de grande interesse médico. 

Há que se entender que o organismo evolui naturalmente com desgaste deste sistema e suas respectivas alças, que notoriamente exprime os efeitos, associados a diminuição da concentração sérica de alguns hormônios edo funcionamento inadaptado de outros.  

Convidamos ao entendimento de que os sistemas endócrinos estão envolvidos em todos os processos orgânicos e, o aumento na expectativa de vida nos convida a refletir e se informar sobre as indicações, os efeitos desta opção terapêutica, corroborando com melhoria na qualidade de vida. 

Exemplificamos aqui um único hormônio, a ocitocina que protagoniza efeitos que vão além do orgânico, promovendo um impacto social positivo nas relações interpessoais, mais sólidas e aprazíveis.  

Apesar de tentador, o uso da ocitocina tem indicações criteriosas. O médico, a partir da avaliação clínica do paciente e de exames complementares específicos, irá indicar o melhor tratamento de acordo com as necessidades individuais, e dos diferentes papéis desempenhados por esse hormônio. 

Viva o amor, viva a ocitocina!!! 

Longevidade...Porque o essencial é eterno! 

Foto: Reprodução/Internet.

  Dra. Patrícia Janoni Médica, Diretora da Clinica Embjanoni                                                                                                                                                                                     

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Tribuna da Imprensa Digital e é de total responsabilidade de seus idealizadores

Aguarde..