Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 30 de Junho de 2022

FETICHE: Analistas falam sobre o assunto e garantem que “existe forte motivação”

Por Tribuna em 04/06/2022
FETICHE: Analistas falam sobre o assunto  e garantem que “existe forte motivação”

O Fetiche está no divã dos psicólogos e psicanalistas. O tema não preocupa, mas traz alguns obstáculos com pessoas tímidas e que ainda se prendem a preconceitos e tabus sobre relacionamento no tema sexual. Afinal o que é o fetiche?

Segundo especialistas, e pesquisadores, existem algumas hipóteses sobre a origem do fetiche. Entre elas, o medo da castração e a associação com algum momento do passado são as mais comuns.

O fetichismo já foi considerado uma patologia mental, mas hoje a ciência não enxerga mais o comportamento sexual 'diferente' como uma doença. Ele só passa a ser perigoso a partir do momento que coloca em risco a integridade física ou emocional de outra pessoa ou de si mesmo.

Reações corporais

O filme campeão de bilheteria, o o livro que vendeu milhões com o o tema: "Cinquenta Tons de Cinza", outros lembram da série "Mindhunter" ou até mesmo de "O Sétimo Guardião". Seja qual for a sua referência, o fetiche já se tornou uma prática conhecida, apesar de ainda ficar no grupo das "esquisitices" sexuais.

Mas apesar de essa adoração de objetos ou partes do corpo ser cada vez mais vista em novelas, filmes e séries, pouco se fala sobre sua origem --muito provavelmente porque, segundo teoria de Sigmund Freud, ela estaria na infância. É o que explicou a analista da UOL Viva Bem Gabriela Ingrid.

Segundo Oswaldo M. Rodrigues Jr., psicólogo e diretor do InPaSex (Instituto Paulista de Sexualidade), tudo o que gostamos ou não depende das experiências da vida de como reagimos a determinadas situações. "Assim, elementos diferentes podem se associar a nossas reações corporais de prazer com a repetição de alguma situação. Dessa forma passamos a gostar ou desgostar de alguma coisa --esta coisa será o fetiche", diz ele.

Da Editoria/Pesquisa: MULHER-NCTDigital/UOL São Paulo/InPaSex/Imagem: Redes Sociais

Aguarde..