Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 07 de Agosto de 2022

Entrevista com Deputado Federal Paulo Ganime, pré-candidato a governador do Rio de Janeiro pelo NOVO

Por Ralph Lichotti em 29/05/2022
Entrevista com Deputado Federal Paulo Ganime, pré-candidato a governador do Rio de Janeiro pelo NOVO

O deputado federal Paulo Ganime é carioca, tem 39 anos, e foi eleito pela primeira vez a um cargo eletivo em 2018 com 52.983 votos pelo partido NOVO do Rio de Janeiro. Em janeiro deste ano, foi escolhido como pré-candidato ao governo do Rio de Janeiro nas eleições gerais de 2022.

Ganime decidiu lançar-se ao desafio de disputar o governo do Rio por se sentir indignado com políticos corruptos e populistas. Após assistir à prisão de cinco governadores do Rio de Janeiro e um impeachment, todos por corrupção, Ganime viu mais uma chance de transformar o estado por meio da boa gestão, atração de investimentos para que o estado saia da decadência e tenha cada vez mais uma segurança pública eficiente.

 

Tribunal da Imprensa - Esse é o seu primeiro mandato na Câmara dos Deputados. Qual balanço que o senhor faz do seu mandato?

Paulo Ganime - Minha avaliação é bastante positiva. Tenho certeza que dei passos muito importantes para o desenvolvimento do Brasil e do estado do Rio de Janeiro.

Posso citar a aprovação da nova Lei do Gás, da qual fui autor do requerimento de urgência, e que deverá atrair R$ 45 bilhões em investimentos até 2030. Tem o marco legal das startups, de minha coautoria, que oferece maior segurança jurídica  e incentiva o empreendedorismo inovador.

Consegui também a aprovação, na Câmara, de um importante projeto de minha autoria para combater o roubo de cargas. Rio e São Paulo concentram 80% desse tipo de crime no país. São alguns exemplos e vale destacar que mostramos ser possível fazer política com responsabilidade no trato com dinheiro público, tbarrar projetos ruins para a população sem precisar fazer acordos escusos, e atender aos interesses da população e não os políticos.

 

Tribuna da Imprensa - E o que o senhor acha que ainda falta conquistar no seu mandato?

Paulo Ganime - Gostaria muito de ver aprovado o meu pacote de nove projetos para aprimorar o combate à corrupção. Eles englobam diversos temas, como a ampliação do conceito de agente público e do rol de entidades sujeitas ao controle de lavagem de dinheiro, alteração das regras de prescrição da ação de improbidade administrativa e responsabilização de pessoas jurídicas por corrupção privada.

Tem ainda a minha PEC do STF, que altera os critérios de escolha dos ministros do Supremo Tribunal Federal. Acredito que o brasileiro não aguenta mais tantos absurdos praticados pela mais alta corte do país. Além disso, existe o PL 414/2021, ao qual tenho me dedicado com afinco para sua aprovação na Câmara.

Esse projeto vai modernizar o setor elétrico oferecendo a todos os consumidores brasileiros a liberdade de escolher de qual fornecedor quer contratar energia para sua residência ou comércio.

 

Tribuna da Imprensa - Todos os anos o senhor publica um edital de emendas parlamentares, como funciona?

Paulo Ganime - Deputados federais e senadores têm direito a destinar todos os anos recursos da União para serem alocados em projetos em seus estados. Sou contra o modelo de emendas parlamentares, que são usadas como moeda de troca nas votações do Congresso, como capital eleitoral em bases dos políticos e ainda alimentam esquemas de corrupção.

Enquanto as emendas existirem, eu publico o edital para selecionar da forma mais transparente possível projetos de instituições que estejam comprometidas com os interesses do estado do Rio de Janeiro. Em três anos recebemos 839 propostas em diversas áreas, como saúde, educação, segurança, que são prioritárias para a sociedade fluminense.

Selecionamos 93 projetos de 57 instituições em 37 municípios fluminenses, que foram contemplados com R$ 50 milhões. O edital 2022-2023 está aberto até 1 de junho. Ainda dá tempo de inscrever o seu projeto: bit.ly/editaldeemendas2023

 

Tribuna da Imprensa - O NOVO é o único partido que não usa dinheiro público em campanhas eleitorais. Por quê?

Paulo Ganime - Somos contrários ao uso dos Fundos Eleitoral e Partidário por acreditarmos que as campanhas e os partidos políticos devem ser custeados por aqueles que acreditam nos ideais dos candidatos. Muitos recursos que saem dos cofres públicos para irrigar as campanhas políticas em anos eleitorais por todo o país deveriam,  na verdade, ser investidos nas prioridades da população, como saúde, educação e segurança.

Por isso, lancei uma plataforma de doação para a minha pré-campanha ao governo do Rio de Janeiro (doeganime.com.br). É possível fazer uma campanha limpa ao lado dos que querem mudança.

 

Tribuna da Imprensa - Como combater a milícia e o crime organizado no estado do Rio de Janeiro?

 

Paulo Ganime - A chave para enfrentar essa questão é a coragem. A milícia e o tráfico de drogas precisam ser enfrentados de cima para baixo. Não podemos ter uma gestão que seja conivente com isso ou que participe direta ou indiretamente desses esquemas de corrupção. A mudança começa pelo governador e passa pelos secretários, secretarias, subsecretarias, chefe de polícia, comandante geral da polícia militar. Somente com gente técnica e preparada para cumprir seu ofício conseguiremos solucionar este problema. Outro ponto: precisamos qualificar e integrar as polícias, dando condições de trabalho para o policial combater o crime organizado.

 

Tribuna da Imprensa - Como resolver o problema de desemprego?

Paulo Ganime - O Rio de Janeiro é o terceiro estado do Brasil com a maior taxa de desemprego e o primeiro da região sudeste. Nós precisamos formar jovens através do ensino técnico e profissionalizante para que eles possam operar no setor de comércio, indústria e serviço. Outro tópico importante é a regionalização. Todos os estados do Brasil que têm muita oportunidade de emprego investiram em suas regiões, potencializaram seu potencial econômico. Precisamos atrair empresas; melhorar a segurança pública, pois as altas taxas de criminalidades só afastam as empresas; reduzir impostos e a burocracia…

Fotos de divulgação

Por Ralph Lichotti - Advogado e Jornalista, Diretor do Tribuna da Imprensa, Secretário Geral da Associação Nacional, Internacional de Imprensa - ANI, Ex-Presidente da Comissão de Sindicância e Conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa - ABI - MTb 31.335/RJ

 

Leia ainda: Entrevista com Senador Carlos Portinho - Carreira política e história de vida

Entrevista com Fábio Queiróz, Presidente da Associação de Supermercados Estado do Rio de Janeiro

Entrevista com José Bonifácio prefeito de Cabo Frio

Entrevista com George Teixeira Pinheiro, Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB)

Entrevista com o prefeito de Campos Wladimir Garotinho

Entrevista com o Promotor JOSE MARINHO PAULO JUNIOR (Especialista em Fundações)

Entrevista exclusiva com Sérgio Duarte - Presidente da Rio Indústria

Aguarde..