Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 07 de Agosto de 2022

Entrevista com a pré-candidata a Deputada Estadual Marlucia Gusmão pelo Partido da Mulher Brasileira - PMB

Por Tribuna em 31/07/2022
Entrevista com a pré-candidata a Deputada Estadual Marlucia Gusmão pelo Partido da Mulher Brasileira - PMB

No Brasil, uma mulher é morta a cada duas horas. Em 2018 foram registrados 51.589 assassinatos. Os números se multiplicam. A taxa de homicídios é aproximadamente 30 vezes maior do que a Europa.

No relatório do PISA, o país se mantém estagnado desde 2009 no quesito educação, e amarga as últimas colocações no ranking mundial que faz o levantamento junto a 70 países.

Na Mobilidade Urbana, vivemos o caos. As ruas e as rodovias não foram pensadas para a circulação de automóveis que temos hoje. Mais especificamente, o Brasil, “deu as costas” para outras opções de transporte, como, por exemplo, os trens.

A qualidade da saúde pública no Brasil deixa desejar. Em 2021, a nação investiu apenas 10,5% do Produto Interno Bruto (PIB) em saúde - valor bem menor que a média mundial de 15,3%, considerando países membros da OCDE.

Segundo o relatório “Aspectos Fiscais da Saúde no Brasil”, publicado pelo Banco Mundial, a maior parte dos gastos é bancada por organizações privadas, enquanto somente 45% do total de investimentos vêm do setor público.

A entrevistada de hoje é com a pré-candidata Deputada Marlucia Gusmão

Nascida em Paracambi/RJ, criada em Japeri, o município de menor índice de desenvolvimento humano (IDH) do estado do Rio de Janeiro, Marlucia Gusmão, futura deputada estadual é mulher, cristã, esposa, mãe, empresária, bacharel em Direito pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e venceu várias dificuldades até concluir sua graduação provando que as dificuldades nunca serão impedimentos para atingir seus objetivos.

Menina que cresceu cercada de desafios, sempre com foco para alcançar a dignidade e liberdade econômica, principalmente mulheres incluindo artesãs, produtoras rurais, onde inclusive, já investiu recursos e tempo próprios para capacitação à exportação, a fim de fomentar a economia local, assessorando também produtores rurais no norte o estado, para promover a fruticultora local, além de promover pequenas empresas do nosso estado através de consultoria e participação em projetos de expansão para mercados internacionais.

Atua na área de exportação e importação visando a competitividade dos pequenos e médios empresários, o que atinge positivamente uma grande parcela da população fluminense, gerando mais empregos e oportunidades de negócios, aumentando os lucros e minimizando as demissões.

Tribuna da Imprensa - A presença do Estado nas questões que afligem a população, onde as questões da saúde, segurança, educação, ambiental, mobilidade urbana e liberdade de expressão são temas fundamentais, para parlamentares, que na linha de frente do legislativo, precisam estar atentos e manter postura vigilante, cobrando das autoridades o cumprimento dos direitos. Como o candidato pretende atuar na defesa desses direitos?

Marlucia Gusmão - Primeiramente, pretendo atuar exercendo uma das principais funções, que é a de criar uma comissão de “Inteligência e inovação na criação de leis” aonde além de criar as leis, essa comissão vai verificar a aplicabilidade, funcionalidade, eficiência e forma de fiscalizar e autuar os órgãos executores daquela norma, além de criar um canal: disque assembleia para denunciar a má execução da lei.

Fiscalizaremos com mais rigor as ações do poder executivo e o destino correto do dinheiro público para essas áreas específicas (saúde, educação, meio ambiente etc.) talvez as mais importantes que asseguram direitos fundamentais do indivíduo como cidadão.

Além do mais, nós trabalharemos com dados e estudos das viabilidades de criação de leis mais eficazes e facilmente executáveis, sendo criadas de forma mais prática e com apoio e investimento privado através de deduções ou benefícios fiscais e tributários.

Nosso estado está decadente e cada dia mais pobre porque a verba pública existente é mal administrada e mal fiscalizada. Uma eficaz fiscalização nesses gargalos já adiantaria muito e refletiria em projetos concluídos, não necessitando de tantas novas leis, porém de maior fiscalização para os projetos em andamento e existentes.

Tribuna da Imprensa - Uma das maiores preocupações da sociedade é quanto à lisura do seu representante, no cumprimento de um programa, pré-anunciado pelo postulante a cadeira legislativa. No seu caso qual é a sua prioridade?

Marlucia Gusmão - A minha prioridade é apresentar um programa SOS Economia que prospere os cidadãos e o Estado, de forma a ampliar e facilitar a circulação de mercadorias no Rio de Janeiro, com menor custo, onde o Estado incentivará as importações de insumos básicos necessários às  industrias, mesmo que esses insumos não façam parte do rol de indústria alimentícia, mas sim ampliando para indústria em geral como  por exemplo : de telecomunicação, automotiva, fármacos e etc.

Isso já geraria impacto muito grande no custo dos preços finais, consequentemente baixando o preço dos produtos nas prateleiras, aumentando o consumo e também a lucratividade das empresas, gerando assim, oportunidades.

Tribuna da Imprensa - A mulher tem sido constantemente ameaçada a sua liberdade, vem sofrendo discriminação e vemos hoje, uma sequência de atos de violência, quase sempre, anunciado, sem que a autoridade judiciária tome providencias, o que traz indignação e inquietação geral. Qual será a postura de se mandato neste tema?

Marlucia Gusmão - O que mais me traz indignação e inquietação é a intimidação que a mulher vem sofrendo constantemente que vem gerando falta de atitude da maioria das mulheres que sofrem qualquer tipo de violência em não denunciar os atos de violência das mais variadas formas (física, emocional, psicológica, e até política).

A nossa postura, principalmente no nosso mandato, será focada em criar leis que fomentem a ampla liberdade profissional da mulher, aumentando, inclusive, a responsabilidade do Estado frente a ampliação dos horários de funcionamento das creches e escolas para que as mulheres do nosso estado possam ter a oportunidade de exercer a sua liberdade econômica, sem que daí fique prejudicada emocionalmente com os atrasos constantes na saída de seus filhos da escola e podendo gerar mais violência e abusos quando meninas e meninos só submetidos a saírem da escola com pessoas “disponíveis “ que nem sempre são confiáveis.

Outra proposta formadora de opinião para o Legislativo é a criação de uma plataforma “on-line” de diálogo entre a comissão da mulher da Assembleia Legislativa para ouvir exclusivamente as principais líderes de associações ou entidades ligadas a temas sobre proteção à mulher, a fim de identificar as falhas existentes e buscar soluções inovadoras e mais eficientes para minimizar as consequências desses atos que tanto recriminamos contra mulheres.

Tribuna da Imprensa - A cada grupo de dez eleitores, sete não declaram seu voto, ou não pretendem votar nas eleições de 2 de outubro. Isso se dá entre outros, em reflexo as constantes denúncias de corrupção de agentes públicos, que são os principais responsáveis pela lisura e proteção ao patrimônio. Como o candidato pretende atuar para coibir essa anomalia, chamada corrupção?

Marlucia Gusmão - Uma das minhas maiores preocupações em relação a minha candidatura é trazer conscientização aos eleitores que deixaram de “participar” do último processo eleitoral, e chama- lós a refletir sobre a importância de participar na escolha de seu representante em várias áreas do governo.

Chamar a atenção, primeiramente, de que, se ele não se pronunciar através desse poder que tem o voto, o eleitor que não exerce a sua cidadania, depois vai cobrar direitos como um cidadão que não participou da escolha daquele grupo de pessoas que tomam decisões em seu nome e em nome da coletividade.

Essa atitude “ não  dou meu voto” não coíbe a corrupção, pelo contrário, a falta de participação da massa no processo eleitoral, aumenta ainda mais a probabilidade da minoria interessada a eleger os ''de sempre'' e dificulta ainda mais um outro grupo minoritário de realizar mudanças significativas, com nomes novos no poder de legislar e fiscalizar, protegendo, assim, o patrimônio público, fiscalizando a distribuição das verbas para as áreas corretas, além de fiscalizar os atos do governador e criar leis que são compatíveis com seus princípios e valores, no meu caso, sou cristã e conservadora, criarei políticas públicas  para incluir socialmente pessoas com todo e qualquer tipo de deficiência ou síndrome, além de ampliar oferta de serviços de apoio às mães, com psicólogos e assistentes sociais nos hospitais estaduais e pontos de apoio a mulheres, tão logo receba a notícia de determinada anomalia ou síndrome.

Valorizarei e respeitarei os princípios de Deus!

#comelaeuvou2022

#comelaeuvoto2022

#nelaeuvoto2022

Qualquer dúvida estamos a sua disposição no e-mail abaixo:

marluciagusmao.brasil@gmail.com

Fotos de divulgação

Por Ralph Lichotti - Advogado e Jornalista, Diretor do Tribuna da Imprensa, Secretário Geral da Associação Nacional, Internacional de Imprensa - ANI, Ex-Presidente da Comissão de Sindicância e Conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa - ABI - MTb 31.335/RJ

 

Leia ainda: Entrevista com Senador Carlos Portinho - Carreira política e história de vida

Entrevista com Fábio Queiróz, Presidente da Associação de Supermercados Estado do Rio de Janeiro

Entrevista com José Bonifácio prefeito de Cabo Frio

Entrevista com George Teixeira Pinheiro, Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB)

Entrevista com o prefeito de Campos Wladimir Garotinho

Entrevista com o Promotor JOSE MARINHO PAULO JUNIOR (Especialista em Fundações)

Entrevista exclusiva com Sérgio Duarte - Presidente da Rio Indústria

Entrevista com professor Rafael Almada, Reitor reeleito do Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ

 

Aguarde..