Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 03 de Julho de 2022

Entrada de Finlândia e Suécia na OTAN significa mudança de postura nuclear de Moscou, adverte o ex-presidente Dmitry Medvedev

Por Tribuna em 14/04/2022
Entrada de Finlândia e Suécia na OTAN significa mudança de postura nuclear de Moscou, adverte o ex-presidente Dmitry Medvedev

Moscou terá que enviar forças significativas para suas fronteiras com a Finlândia em resposta à adesão da Suécia e da Finlândia à Otan, alertou o ex-presidente russo, Dmitry Medvedev (foto), na quinta-feira, acrescentando que a implantação de armas nucleares na região pode ser uma maneira possível de “ restabelecer o equilíbrio” da segurança na área.

A adesão das duas nações ao bloco militar significaria apenas que a Rússia terá mais “adversários oficialmente registrados”, escreveu o ex-presidente em um longo post no Telegram comentando sobre as aspirações de Estocolmo e Helsinque de ingressar na OTAN em um futuro próximo.

A extensão da fronteira terrestre entre a Rússia e o bloco militar quase dobrará nesse caso, acrescentou Medvedev, que atualmente é vice-presidente do Conselho de Segurança do país. “Esta fronteira [segurança] terá que ser reforçada”, disse ele. As possíveis opções de aprimoramento de segurança incluem “aumentar drasticamente o número de forças terrestres e defesas aéreas” na região e enviar navios de guerra adicionais para o Golfo da Finlândia.
“O status não nuclear da região do Báltico estará fora de questão neste caso. O equilíbrio [de poder] deve ser preservado”, alertou Medvedev, acrescentando que a Rússia nem sequer considerou essa opção até agora e não tinha planos antes. 


O ex-presidente também disse que, de fato, há poucas razões para a Suécia e a Finlândia se juntarem ao bloco militar, acrescentando que todas as referências à operação militar em andamento da Rússia na Ucrânia são irrelevantes neste caso. “Não temos disputas territoriais com essas nações”, disse ele.

Medvedev também expressou sua esperança de que o “senso comum” prevaleça, acrescentando que qualquer povo “racional” na Suécia e na Finlândia dificilmente gostaria de ver a carga de “impostos aumentados” , bem como “tensões ao longo das fronteiras de suas nações ” e navios armados ao alcance de um braço de suas casas”.

Suas palavras vêm um dia depois que a primeira-ministra da Finlândia, Sanna Marin, e sua colega sueca, Magdalena Andersson, confirmaram que querem que suas nações se juntem ao bloco liderado pelos EUA “bem rápido”. Marin apontou particularmente a operação militar russa em andamento na Ucrânia como uma razão para mudar a política da Finlândia de não aderir a nenhum bloco militar.

Alguns relatos da mídia sugeriram que ambas as nações devem enviar suas inscrições neste verão, embora não haja confirmações oficiais de nenhuma data em potencial. Os planos foram criticados pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia, que disse que Helsinque e Estocolmo estavam indo contra os interesses de sua nação. (Da RT)

Aguarde..