Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 03 de Julho de 2022

ELEIÇÃO NA FRANÇA - Macron derrota a extremista de direita Lepen e garante mais cinco anos a frente do governo

Por Tribuna em 25/04/2022
ELEIÇÃO NA FRANÇA - Macron derrota a extremista de direita Lepen e garante mais cinco anos a frente do governo

Emmanuel Macron (Partido República em Marcha) que jpa trtinha pesquisas a seu favor, foi reeleito presidente da França, pela segunda vez consecutiva, neste domingo (24. O direitista, cunhou o slogam de campanha “  o presidente de todos” venceu as eleições contra a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen (Reunião Nacional) com 58% dos votos válidos.

Macron, é jovem um estadista de 44 anos, que enfrentou um segundo turno duro com a candidata Marine que tentou extrair votos de todas as alas insatisfeitas com o governo de Emmanuel.

Apesar de uma pesquisa do Instituto Francês de Opinião Pública (IFOP), divulgar que 58% dos franceses se diziam insatisfeitos com o governo de Macron e por isso, ele ganhou o apelido de “presidente dos ricos” ao cortar impostos sobre fortunas no país. O reeleito conseguiu convencer os eleitores sobre seu princípio democrata e respeitador das leis constitucionais do país.

Extremismo tirou Le Pen da rota de votos

Esta é terceira vez que Le Pen, líder do Rassemblement National (Agrupamento Nacional, antigo Frente Nacional) concorre à Presidência. Já o presidente Emmanuel Macron, que oficializou sua candidatura apenas no início de março, lidera todas as pesquisas, com cerca de 30%. Le Pen, com 16% a 19% das intenções de votos, tem novamente chances de ir para o segundo turno, como ocorreu em 2017.

Desde 2011, quando assumiu o comando do partido fundado nos anos 70 por seu pai, Jean-Marie Le Pen, a líder da direita francesa adotou a estratégia de tentar apagar a imagem xenófoba, racista e extremista atribuída por muitos à Frente Nacional, o que incluiu a mudança do nome para Rassemblement National em 2018. Não deu certo e acabou derrotada exatamente por essa plataforma extremista.

Da Redação/Por: BBC News/Imagem: BBC

Aguarde..