Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 28 de Maio de 2022

Efeito CPI derruba a farsa do ‘Tratamento precoce’

Ministério da Saúde admite ineficácia de cloroquina e outros medicamentos do “kit covid”

Por Tribuna em 14/07/2021
Efeito CPI derruba a farsa do ‘Tratamento precoce’

DA REDAÇÃO - O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS), ferrenho defensor do ‘tratamento precoce’ na CPI, ficou sem argumentos.

O Ministério da Saúde admitiu, em documentos enviados à CPI da Covid essa semana, que medicamentos que compõem o chamado "kit covid", amplamente defendidos por Jair Bolsonaro, Osmar Terra e outros terraplanistas, são ineficazes contra o vírus.

"Alguns medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente. A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população", diz documento.

Duas notas técnicas foram entregues à comissão por um pedido do senador Humberto Costa (PT-PE), que foi ministro da Saúde no governo Lula.

Os medicamentos para tratamento precoce foram defendidos por apoiadores do governo e indicados pelo aplicativo do Ministério da Saúde, TrateCov, em Manaus (AM) em janeiro, no auge da crise de oxigênio no estado. A plataforma saiu do ar após a pasta alegar invasão hacker.

A CPI apura se a existência de um gabinete paralelo ao Ministério da Saúde influenciou o atraso na compra das vacinas, o favorecimento de laboratórios e a compra de medicamentos do "kit covid" sem eficácia para o tratamento da doença.

Uma primeira lista de testemunhas que são investigadas pela comissão por terem composto este gabinete e insistido no uso dos medicamentos são: o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, o ex-chefe da comunicação do governo, Fábio Wajngarten, as médicas Mayra Pinheiro e Nise Yamaguchi e o ex-chanceler Ernesto Araújo.

Também constam na lista de investigados: o ex-assessor do Ministério da Saúde Elcio Franco, o conselheiro do presidente Arthur Weintraub, o empresário Carlos Wizard, Franciele Fantinato, Helio Neto, Marcellus Campelo, Paulo Marinho Zanotto, Luciano Dias Azevedo e o atual chefe da pasta, Marcelo Queiroga.

Ao que tudo indica, depois da admissão oficial do Ministério da Saúde, mais uma ‘narrativa’ do presidente Bolsonaro e seus seguidores cai por terra. Terra redonda, é bom frisar. (com Congresso em Foco)

Publicidade
Aguarde..