Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 03 de Julho de 2022

DIGITAL IMERSIVO: Escritora prevê bebês gerados por computador que vão povoar o planeta

Por Tribuna em 14/06/2022
DIGITAL IMERSIVO: Escritora prevê bebês gerados por computador que vão povoar o planeta

Crianças virtuais que podem brincar com você, acariciá-lo e até parecer que você pode ajudar a combater a superpopulação, de acordo com um especialista em inteligência artificial.

Em seu livro recém-publicado, Catriona Campbell, uma das principais autoridades do Reino Unido em IA, previu que esses bebês gerados por computador serão comuns em 50 anos, pois as preocupações com a superpopulação ( um golpe a par da crise climática ) levarão a sociedade a abraçar filhos digitais.

Ela disse que eles só existirão no mundo digital imersivo conhecido como 'metaverso' e custarão quase nada para serem criados, pois exigirão recursos mínimos. Eles serão acessados ??usando tecnologia de realidade virtual para fazer o usuário se sentir como se estivesse cara a cara com a criança.

Ela disse que eles só existirão no mundo digital imersivo conhecido como 'metaverso' e custarão quase nada para serem criados, pois exigirão recursos mínimos. Eles serão acessados ??usando tecnologia de realidade virtual para fazer o usuário se sentir como se estivesse cara a cara com a criança.

Já existe uma prova de conceito para crianças virtuais de acordo com o Mail Online .

“BabyX” é um experimento da empresa Soul Machines, sediada na Nova Zelândia. O projeto visa humanizar a IA para que seja mais atraente para o público interagir.

Relatórios da Fundação Rair

Em AI by Design: A Plan For Living With Artificial Intelligence, a Sra. Campbell argumenta que as preocupações com a superpopulação levarão a sociedade a abraçar as crianças digitais. É uma transformação demográfica que ela apelidou de “geração Tamagotchi”.

“Crianças virtuais podem parecer um salto gigante de onde estamos agora”, ela escreve, “mas dentro de 50 anos, a tecnologia terá avançado a tal ponto que os bebês que existem no metaverso são indistintos daqueles do mundo real. “À medida que o metaverso evolui, posso ver as crianças virtuais se tornando uma parte aceita e totalmente aceita da sociedade em grande parte do mundo desenvolvido.”

 Da Editoria/Tribuna Nacional/Núcleo de Conteúdo TRIBUNADigital/Imagem: Mercado e Consumo

Aguarde..