Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 26 de Maio de 2022

Depois de dizer que voto impresso era “perda de tempo”, agora Lira pede sistema que “sirva a todos”

Presidente da Câmara elogia sistema eleitoral, mas afirma que “grande parcela da população coloca dúvidas sobre o resultado do pleito” e que “não é conveniente, para qualquer um que seja eleito, uma eleição contestada

Por Tribuna em 04/08/2021
Depois de dizer que voto impresso era “perda de tempo”, agora Lira pede sistema que “sirva a todos”

Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados, afirmou em entrevista à CNN nesta quarta-feira (04) que confia nas urnas eletrônicas para a realização de eleições, mas que espera que a Casa chegue a um texto que "sirva a todos". 

"O sistema brasileiro é confiável, não tem o que dizer a respeito dele. Mas uma grande parcela da população coloca dúvidas sobre o resultado do pleito. Não é conveniente, para qualquer um que seja eleito, uma eleição contestada", declarou Lira.

"Se nós pudermos achar uma maneira adequada de fazer com que essas versões sejam esclarecidas, o parlamento é o fórum específico para isso. Se pudéssemos chegar a uma saída que sirva a todos, seria o ideal", concluiu. 

Lira também comentou sobre a ida de seu colega de partido Ciro Nogueira (PP-PI) à Casa Civil. O senador será empossado hoje em uma sessão exclusiva para sua transição ao cargo. O movimento feito pelo governo Bolsonaro indica vontade de "interlocução política", disse o presidente da Casa.

Para Lira, Ciro Nogueira precisa "organizar o governo para que tenha uma linguagem só, e para que os ministérios deixem de funcionar como ilhas". "Torço para que ele tenha todo tipo de possibilidades e autonomia para desempenhar seu papel com plenitude", acrescentou.

Lira ainda disse que a "maior marca" que quer deixar em seu mandato na chefia da Casa é oferecer à população um enfrentamento às "versões" na política.

Projetos na Câmara
O presidente da Casa também falou sobre outras propostas em tramitação, como o projeto de novo Código Eleitoral. Lira criticou alegações de que possíveis mudanças tenham sido feitas de forma apressada. O grupo de trabalho formado para formular a nova Proposta de Emenda Constitucional (PEC) concluiu na terça-feira (03) a primeira versão do texto.

"Aqui nada é feito açodado. Temos tido excelentes discussões no Plenário, os temas são debatidos intensamente, e, numa matéria como essa, é triste que pessoas que se dizem inteiradas do assunto façam juízo de valor", disse. Um das críticas rebatidas foi a de que o novo Código excluiria a obrigatoriedade de financiamento de campanhas femininas. "Está na Constituição, não precisa estar no Código".

"Estão confundindo a reforma que está sob a relatoria da deputada Renata Abreu (Podemos-SP), que deve ser votada comissão hoje e deverá ir a Plenário nessa semana ou na próxima, do código de processo eleitoral que deve ser votado em agosto ou setembro após muitas discussões", declarou.

Ainda sobre o Código, porém, Lira sinalizou que considera justo novos debates sobre limites estabelecidos para a divulgação de pesquisas eleitorais. "O que não é justo com quem disputa eleição é uma pesquisa dá, a dois dias da eleição, uma discrepância de 30 pontos atrás e você chega no dia empatado", afirmou.

Sobre a PEC relativa ao sistema eleitoral — relatada por Renata Abreu —, Lira teceu mais comentários sobre a necessidade, para ele, de diminuir a quantidade de partidos políticos para "acabar de vez com governo de coalizão".

"Com essa quantidade de partidos, é muito difícil o sistema brasileiro se por em pé sem muitos sobressaltos. A cláusula de barreira também é importante para diminuir a quantidade de legendas partidárias que tem acesso ao Congresso Nacional", disse. (Foto: arte sobre reprodução de tv)

Publicidade
Aguarde..