Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 15 de Agosto de 2022

Depois de Bolsonaro dizer - Eu sou a Constituição -, é aprovada 125º Emenda Constitucional para aumentar o novo Bolsa Família até o fim da eleição

ESTELIONATO CONSTITUCIONAL: Compra de votos até o fim da eleição APROVADA

Por Tribuna em 19/07/2022
Depois de Bolsonaro dizer - Eu sou a Constituição -, é aprovada 125º Emenda Constitucional para aumentar o novo Bolsa Família até o fim da eleição

Inspirado no Esquema de aprovar PEC para reeleição montado em 1997 pelo Fernando Henrique Cardoso, Bolsonaro usa e abusa do orçamento secreto para mudar a Constituição e aumentar o valor do novo Bolsa Família de seu governo ás vésperas das eleições.

FHC 23 anos depois disse que a PEC que fez a mudança constitucional foi ‘erro’...

A aprovação da emenda da reeleição foi mesmo, comprovadamente, por meio de 1 esquema de compra de votos....

“Cabe aqui um ‘mea culpa’. Permiti, e por fim aceitei, o instituto da reeleição […]. Sabia, e continuo pensando assim, que um mandato de 4 anos é pouco para ‘fazer algo’. Tinha em mente o que acontece nos Estados Unidos. Visto hoje, entretanto, imaginar que os presidentes não farão o impossível para ganhar a reeleição é ingenuidade”. Diz Fernando Henrique aos 89 anos...

OS TEMPOS SÃO OUTROS OS ERROS OS MESMOS

Mas Jair Bolsonaro foi ao extremo: “Eu sou a Constituição”, proclamou. Entrou para a antologia do humor político. A frase lembra o Rei da França Luiz 14 com uma diferença, não vivemos numa monarquia e nem na França, a quem se atribui a frase "O Estado sou Eu".

O Brasil conta quatro décadas de relativa estagnação econômica e social. Da direita à esquerda, ninguém se diz responsável — mas todos culpam a Constituição.

Bolsonaro que rodou por décadas as Casas Legislativas, conhece mais que ninguém as fragilidades congresso e o caminho para se aprovar uma mudança no texto da Constituição, inclusive viu de perto e votou a favor da escandalosa PEC da Reeleição que afundou e jogou o processo de redemocratização do país em um mar de corrupção.

Temos uma constituição fraca e flexível, por sinal grande parte dela foi inspirada na que foi a única Constituição socialista do mundo moderno, a Constituição Portuguesa.

O Professor Canotilho é um jurista português e sua obra, foi a maior inspirou os alicerces da Constituição brasileira de 1988, que trouxe os princípios da constituição portuguesa, repito, que é a única no mundo que ainda mantém inalterado desde 1976 o preâmbulo que diz ”a decisão do povo português em abrir o caminho para uma sociedade socialista”, a Constituição feita após a Revolução Dos Cravos é a única do mundo que declarava no art. 1º o empenho de Portugal na construção de uma sociedade sem classes e que no art. 2º vinculava o Estado ao objetivo de assegurar a transição para o socialismo, porém sofreu emendas e a versão atual não contém qualquer referência ao socialismo.

Por conta dessa celeuma socialista, que praticamente se elenca todos os princípios individuais e coletivos no texto constitucional o Poder Judiciário, brinca de prender e soltar quem quiser, nos termos e princípios que melhor o prover, e a jurisprudência no Brasil parece um baralho de cassino atendendo a vontade, que quiser o juiz, pois fizeram uma salada de princípios que dá ao Judiciário o poder de interpretar de acordo com o momento e ou o “freguês”, considerando que por de trás de cada ministro encontram-se grandes bancas de advogados lobistas.

Mas não é só o Poder Judiciário e Executivo que se assanham perante a frágil Constituição, os poderes Legislativos também se esvai e em meios a liberação de orçamentos secretos aprovou a Proposta de Emenda Constitucional 01 de 2022, que nada diz sobre o escopo de que uma Constituição que deveria tratar, que é a organização do Estado e não de aumento a programas assistencialistas em época de eleição, "verdadeira compra de votos" demostrando como é fácil mudar a Constituição, quando os parlamentares são tratados com carinho a véspera de uma reeleição.

Diante desses fatos, vem a reflexão, será que não é chegada a hora de se fazer uma nova Constituinte e adequar a nova constituição somente a Organização do Estado, assumindo em seu texto a essência do presidencialismo de uma vez, já que depois da campanha de Diretas Já para Presidente, os constituintes não tiveram coragem de implantar o sonhado parlamentarismo, achando que o fariam depois através de um Plebiscito que fracassou, e fez todos herdamos uma constituição de essência socialista e parlamentarista, num país capitalista e presidencialista.

A flexibilidade de mudança ao texto original da Constituição nos trouxeram até aqui a 125 emendas em uma constituição de 250 artigos, a Carta Magna é alterada a cada 90 dias. Já temos 715 alterações no texto original, uma aberração.

Brasil transformou a Constituição em periódico trimestral

Desde a promulgação, há 34 anos atrás, repito, a Carta é alterada a cada 90 dias. E vai continuar, assim anunciam a Câmara e o Senado, prova disso é a nefasta 125ª emenda que saiu agora em plena época de convenções partidárias para eleições de 2022.

O Congresso vai manter o vigor reformista, anunciaram ontem o presidente do Senado e do Congresso, Rodrigo Pacheco, e da Câmara, Arthur Lira.

Mais reformas na Constituição se espera, Jair Bolsonaro já reivindicou atenção ao seu programa de privatizações, concessões e parcerias público-privadas — “o maior do mundo com R$ 400 bilhões em investimentos.”

É tarefa difícil em ano eleitoral, indica a tradição parlamentar. Mas não se deve desprezar um fato político tão relevante quanto pouco observado: o Congresso vive uma etapa de fúria reformista.

Legisla-se muito, e em ritmo veloz. Ano passado foram 759 proposições aprovadas, entre projetos de lei, medidas provisórias e emendas constitucionais.

O Senado produziu 401 decisões legislativas, de caráter terminativo, e a Câmara aprovou 358, segundo dados divulgados ontem pelo presidente do Congresso.

Há uma usina de leis operando a plena carga, com produtividade média de quase quatro novos projetos por dia útil de trabalho dos deputados e senadores — considerando-se quatro dias de votações por semana.

Porém, quantidade não significa qualidade, basta para tanto lembrar da PEC do Calote na dívida pública (precatórios).

O reformismo tem moldado a democracia liberal brasileira, mas, paradoxalmente, está fomentando um ambiente de insegurança jurídica crescente e permanente.

É evidência de que a Constituição perdeu seu caráter de código permanente. Foi transformada num periódico trimestral, sendo alterada a cada ciclo de 90 dias.

Ano passado, o Senado aprovou treze propostas de emendas e a Câmara outras nove – de acordo com os dados do presidente do Congresso.

Há quatro anos, quando o país celebrava 30 anos da Constituição que enterrou a ditadura, um dos autores da Carta, o então deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) foi pesquisar a natureza das mudanças.

Constatou 714 alterações no texto original. Foram introduzidas por 99 emendas nos 2.070 dispositivos organizados em 245 artigos do corpo permanente e em 70 disposições transitórias.

“Se a cada emenda correspondesse um dispositivo” — escreveu — “noventa e nove dispositivos alterados em trinta anos já poderia ser um número considerado exótico ou herético em face do sagrado significado que tem a Constituição para povos civilizados, como o nosso.”

“No Brasil” —acrescentou- “uma emenda constitucional chega a reformar partes inteiras do texto”.

Governos se acertam com o Congresso, conforme a conveniência conjuntural, para promover “reformas” constitucionais amplas, gerais e irrestritas.

O Judiciário também se move em fúria reformista, sempre na defesa de interesses corporativos: os 226 dispositivos originários que tratam da organização e do funcionamento desse Poder já foram modificados mais de 130 vezes.

Existem cerca de 1,6 mil projetos de emendas constitucionais em tramitação no Senado e na Câmara. Há, também, discussões mais ambiciosas em andamento em grupos partidários, de difícil viabilidade, como a convocação de uma nova Constituinte.

O Partido dos Trabalhadores abriga os mais entusiasmados. Em 1988, o PT  votou contra a redação final da Constituição, e agora petista resgatam a ideia de nova Constituinte, embalada pelo favoritismo de Lula nas pesquisas eleitorais,

REPITO O Brasil conta quatro décadas de relativa estagnação econômica e social. Da direita à esquerda, ninguém se diz responsável — mas todos culpam a Constituição.

Fotos de divulgação Fonte: Poder 360, Estadão, Câmara dos Deputados

Por Ralph Lichotti - Advogado e Jornalista, Diretor do Tribuna da Imprensa, Secretário Geral da Associação Nacional, Internacional de Imprensa - ANI, Ex-Presidente da Comissão de Sindicância e Conselheiro da Associação Brasileira de Imprensa - ABI - MTb 31.335/RJ

 

Leia ainda: Entrevista com Senador Carlos Portinho - Carreira política e história de vida

Entrevista com Fábio Queiróz, Presidente da Associação de Supermercados Estado do Rio de Janeiro

Entrevista com José Bonifácio prefeito de Cabo Frio

Entrevista com George Teixeira Pinheiro, Presidente da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB)

Entrevista com o prefeito de Campos Wladimir Garotinho

Entrevista com o Promotor JOSE MARINHO PAULO JUNIOR (Especialista em Fundações)

Entrevista exclusiva com Sérgio Duarte - Presidente da Rio Indústria

Aguarde..