Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 15 de Agosto de 2022

CARNE MAIS BARATA NO RIO: Projeto de André Corrêa que prevê redução de ICMS para o setor de carnes segue para Cláudio Castro sancionar

Por Tribuna em 01/08/2022
CARNE MAIS BARATA NO RIO:  Projeto de André Corrêa que prevê redução de ICMS para o setor de carnes segue para Cláudio Castro sancionar

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou, em discussão única, na sessão de 30 de junho, o projeto de lei 5.169, de 2021, de autoria do deputado estadual André Corrêa (Progressistas), que institui benefícios fiscais para empresas do setor de carnes instaladas em 20 municípios fluminenses.

“Menos imposto e mais carne da mesa da população. As empresas beneficiadas são as que mais interferem na vida da população fluminense, haja vista fornecer alimentos e produtos lácteos. Cabe esclarecer que o Estado do Rio de Janeiro não é autossustentável nos produtos beneficiados, tendo que, obrigatoriamente, trazer produtos de outros estados para suprir a demanda”, declarou o deputado André Corrêa.

O texto seguirá para o governador Cláudio Castro, que tem até 15 dias úteis para sancioná-lo ou vetá-lo.

Se sancionada e virar lei, a medida valerá para as empresas sediadas em 20 municípios fluminenses. As empresas instaladas nesses municípios serão isentas do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) nas operações de saída interna (venda) de animais vivos.

As empresas também pagarão uma alíquota de ICMS de 7% nas operações de venda de carnes e demais produtos frescos, resfriados, secos, temperados, congelados ou salgados resultado do abate de animais. A medida também prevê outros benefícios, como crédito presumidos em operações ao estabelecimento abatedor e estabelecimento frigorífico.

Caso o estabelecimento também produza produtos lácteos, poderão fazer jus aos incentivos previstos na lei estadual 8.461, de 2019, em substituição aos benefícios dispostos neste projeto de lei. Já as centrais de distribuição localizadas nestes municípios terão ICMS que envolvam operações internas realizadas por estabelecimentos atacadistas fixadas em 7% nos produtos que compõem a cesta básica e 12% nos demais casos.

Aguarde..