Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 03 de Julho de 2022

CANNABIS: Câmara americana libera maconha medicinal

Por Tribuna em 11/04/2022
CANNABIS: Câmara americana libera maconha medicinal

A Câmara dos Deputados dos EUA aprovou na segunda-feira (04/4) um projeto de lei sobre maconha que removeria as barreiras à realização de pesquisas sobre a substância, permitindo que cientistas acessem a cannabis de dispensários de estados onde ela é legalizada. A Lei de Pesquisa de Maconha Medicinal foi aprovada na Câmara, em uma votação de 343 contra 75.

O deputado democrata Earl Blumenauer apresentou o projeto de lei em outubro de 2021. Ele é apoiado por outros 11 deputados, democratas e republicanos, incluindo o republicano Andy Harris, conhecido como inimigo da maconha legal, mas que reconhece a necessidade da ciência realizar mais pesquisas sobre a cannabis.

O projeto facilitaria o processo pelo qual os pesquisadores solicitam aprovação para estudar cannabis, garantindo suprimento suficiente de cannabis destinado à pesquisa e colocando prazos nas agências federais para considerar os pedidos a tempo. Além disso, também autoriza os cientistas a acessar flores e outros produtos fabricados, de acordo com programas de maconha aprovados pelo estado e armazenados em dispensários.

Permissão

Ainda hoje, o único produtor legal de cannabis para pesquisa nos EUA é a Universidade do Mississippi, que cultiva cannabis com um nível de THC (tetrahidrocanabinol) abaixo da cannabis recreativa média, de acordo com um artigo da Science. Os pesquisadores só podem estudar os efeitos da cannabis usando material vegetal cultivado pela Universidade do Mississippi sob contrato com o Nida (Instituto Nacional de Abuso de Drogas).

Nos EUA, o estudo do DNA da cannabis é permitido. O governo também tornou-se gradualmente mais permissivo ao cultivo de cânhamo, depois de sua legalização em nível federal por meio da Farm Bill de 2018. Mas qualquer estudo sobre a biologia básica da cannabis, com níveis mais altos de THC, é estritamente proibido.

Núcleo de Conteúdo:TRIBUNADigital/Forbes/ Imagem:editoria

 

Aguarde..