Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 30 de Junho de 2022

Bolsonaro quer esconder, mas Brasil vive processo de estagflação, diz Instituto de Finanças Internacional

Relatório do Instituto de Finanças Internacionais aponta que impactos da Covid-19 e aumento dos preços dos alimentos e da energia são os principais fatores para contexto econômico atual

Por Tribuna em 23/04/2022
Bolsonaro quer esconder, mas Brasil vive processo de estagflação, diz Instituto de Finanças Internacional

Bolsonaro cria cortinas de fumaças e factoides para esconder a realidade. Inflação elevada coexiste com uma recuperação econômica incompleta.

O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) avaliou, em relatório divulgado nesta terça-feira (19), que o Brasil e outros países emergentes vivem uma estagflação, processo caracterizado por inflação elevada e estagnação da atividade, com os preços sofrendo o impacto de choques de oferta.

O documento ressalta que, no Brasil, a atividade não tinha se recuperado de recessões anteriores quando a economia sofreu o baque da pandemia de coronavírus.

De acordo com o IIF, a inflação elevada coexiste com uma recuperação econômica incompleta em vários países emergentes, onde os níveis de produção estão bem abaixo dos patamares pré-pandemia.

O impacto da Covid-19 sobre as cadeias de abastecimento, que ainda não foram normalizadas, e o aumento dos preços de alimentos e energia, que podem não recuar a depender dos efeitos dos conflitos na Ucrânia, são os principais fatores por trás da queda na oferta, segundo a instituição.

Inflação elevada coexiste com uma recuperação econômica incompleta em vários países emergentes

“Concluímos que a inflação nos mercados emergentes é impulsionada por uma série de grandes choques de oferta. A atividade econômica está muito fraca para ser o principal motor das pressões sobre os preços. Se esses choques diminuem em algum momento, a inflação dos mercados emergentes pode esfriar mais rápido do que o esperado”, disseram Sergi Lanau e Jonathan Fortun, economistas que assinam o relatório.

Da Reuters

Aguarde..