Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 28 de Maio de 2022

Barroso: “Campanha de ódio e mentira nas redes sociais são os grandes inimigos da democracia atual”

Em uma fala repleta de indiretas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido),  presidente do Tribunal Superior Eleitoral afirmou que, em vários países, a democracia está sendo ameaçada por três fenômenos: o populismo, o extremismo e o autoritarismo, rebateu a proposta pelo voto impresso e criticou os defensores de ditadura

Por Tribuna em 04/08/2021
Barroso: “Campanha de ódio e mentira nas redes sociais são os grandes inimigos da democracia atual”

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, afirmou que a campanha de ódio e mentira nas redes sociais são os grandes inimigos da democracia atual. Em um discurso nesta quinta-feira em um evento virtual do Tribunal Regional do Rio, o magistrado afirmou que, em vários países, a democracia está sendo ameaçada por três fenômenos: o populismo, o extremismo e o autoritarismo. Em uma fala repleta de indiretas ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), Barroso também rebateu a proposta pelo voto impresso e criticou os defensores de ditadura. As informações são do jornal O Globo.

Barroso, que também é ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), entrou na rota direta dos ataques de Bolsonaro nesta semana, após o presidente se tornar alvo de duas ações do TSE por seus constantes ataques às urnas eletrônicas. Bolsonaro afirmou, na quarta-feira, que não aceitará "intimidações" e que sua "briga" é com o presidente do tribunal eleitoral.

No evento de hoje, Barroso não citou o nome de Bolsonaro. No entanto, ao falar do populismo, descreveu como um movimento puxado por líderes carismáticos que se elegem com o discurso contra “tudo isso que está aí”. A fala faz referência a promessa do presidente quando ainda era candidato ao Palácio do Planalto, em que afirmava que governaria de forma diferente de seus antecessores e da chamada “velha política”.

“O extremismo hoje se vale, sobretudo, utilizando as redes sociais para campanhas de ódio, campanhas de desinformação e teorias conspiratórias. E aí nós caímos no autoritarismo, que é essa tentação permanente e em diferentes partes do mundo de concentração do poder, de supressão das instituições representativas. E, hoje em dia, o populista extremista autoritário se vale das redes sociais para atacar as instituições para tentar enfraquecê-las e preparar o caminho para o autoritarismo. Assim tem sido a experiência mundial”, disse Barroso.

Urna eletrônica
Defensor do voto impresso, Bolsonaro tem feito, sem provas, acusações em discursos a seus apoiadores e nas redes sociais de que a urna eletrônica é passível de fraude e de que o sistema eleitoral brasileiro é falho. Há na Câmara uma Proposta de Emeda à Constituição (PEC), feita pela deputada bolsonarista Bia Kicis (PSL-DF), de que seja impresso um comprovante de voto na hora de eleição.

Nesta quinta, o presidente do TSE criticou a proposta afirmando que, além do aumento do gasto público, a impressão do comprovante coloca em risco o sigilo do voto e traz problemas de logística ao pleito, já que “ao menos 150 milhões de votos precisarão ser transportados, armazenados e contatos a mão”. Barroso afirmou ainda que a contagem manual dos votos também não traz mais transparência ao processo eleitoral e, pelo contrário, abre brecha para possíveis fraudes como já vistas antes da implementação da urna eletrônica. “[Quem defende isso] é que não tem a menor ideia de como o sistema funciona”, criticou.

Barroso também criticou aqueles que defendem a volta das ditaduras e disse que é necessário a defesa da democracia das, em suas palavras, “tentações golpistas”.

“Só defende a Ditadura aqueles que perderam a fé no futuro e têm saudades de um passado que não houve, não aconteceu. Esse sucesso que alguns procuraram alardear”, disse o ministro, que completou: “Portanto, nós precisamos defender a democracia no plano das ideias, conquistando corações e mentes, e no plano das ações, tomando atitudes necessárias para impedir o avanço do autoritarismo e coibir as tentações golpistas em todo o mundo”. (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

Publicidade
Aguarde..