Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 03 de Julho de 2022

Alerj aprova projeto que regulamenta a atividade de catadores no estado

Estabelecimentos deverão criar um cadastro simplificado dos trabalhadores

Por Tribuna em 08/06/2022
Alerj aprova projeto que regulamenta a atividade de catadores no estado

A fim de desburocratizar o transporte e comercialização de materiais destinados para a reciclagem, a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou em segunda discussão, nesta quarta-feira (08), o Projeto de Lei 5.923/22, de autoria dos deputados André Ceciliano (PT) e Coronel Jairo (SDD). A proposta que também regulamenta a atividade de catadores no estado seguiu para análise do governador Cláudio Castro (PL), que tem até 15 dias para vetar ou sancionar a lei.

O projeto prevê que estabelecimentos particulares ou privados podem criar o zoneamento livre para facilitar as atividades de coleta, transporte e comercialização de recicláveis. Os pontos de coleta deverão criar um Cadastro Estadual Simplificado dos Catadores (Cesc). Já o Executivo deverá criar o cadastro estadual com os estabelecimentos que recebem materiais não perigosos destinados à reciclagem.

"Esse projeto é importante para contribuir na preservação do meio ambiente, ampliar a coleta seletiva e, principalmente, gerar trabalho e renda. São mais de 1,5 milhão de pessoas que retiram o sustento da reciclagem. Sancionar essa lei significar dar oportunidades e também descriminalizar os catadores", defendeu Coronel Jairo, um dos autores da proposta.

O projeto tem como objetivo ainda dar mais clareza e oficializar o livre trânsito dos trabalhadores que reciclam resíduos sólidos não perigosos; estimular a capacitação de recursos humanos e atender a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que proíbe o aterro de materiais recicláveis.

O presidente da Associação de Recicladores do Estado do Rio (Arerj), Edson Freitas, endossa o pedido pela sanção da lei e a regulamentação da atividade dos catadores.

"Com a pandemia do novo coronavírus e o desemprego, muitas pessoas passaram a coletar esse tipo de material. Para muitas, a coleta deu o único alimento do dia. Aprovação desse projeto é a libertação da escravidão dos catadores", comemorou  Freitas.

Todos os estabelecimentos existentes que recebam e comercializem materiais recicláveis, desde que classificados como atividades de baixo risco, ficarão isentos de qualquer tipo de alvará ou licenciamento, para que prossiga com a dinâmica em suas atividades, com o objetivo de facilitar o trabalho dos catadores de materiais recicláveis.

Os pontos de coleta  também deverão seguir um padrão de boa aparência e visibilidade com armazenamento adequado, como em grandes bolsas, fardos ou recipientes adequados para cada tipo de materiais.

Aguarde..