Informação, publicidade e prestação de serviços a comunidade | 14 de Agosto de 2022

A luta por um valor justo de pedágio, leia na coluna ‘Dep. Dionísio Lins’

Por Dep. Dionísio Lins em 06/04/2021
A luta por um valor justo de pedágio, leia na coluna ‘Dep. Dionísio Lins’

Matematicamente, não resta qualquer dúvida de que R$ 4,00 é melhor do que R$ 7,50, porém, o que me causa estranheza é o fato de a Prefeitura do Rio não contestar esse valor arbitrado, depois do parecer do grupo de trabalho do próprio município, que envolveu a Controladoria Geral e Procuradoria Geral, além das Secretarias de Transportes, CET-RIO, Fazenda, Ordem Pública, Infraestrutura e Conservação. Os estudos demonstram que uma tarifa de R$ 2,30 a R$ 3,00 seria suficiente para garantir a operação da via. 

Quanto ao retorno econômico da concessionária, esse já foi pago há muito tempo e os cariocas sabem disso. O valor de R$ 4,00, foi fruto de uma decisão de hoje do STF, é provisório e durará por 90 dias até a conclusão da perícia judicial relativa ao reequilíbrio econômico e financeiro. É necessário que a prefeitura explique por que aceitou esse valor, sabendo que ele continua acima do padrão revelado pelo estudo técnico da própria prefeitura. 

Leia também: BRT: Comissão cobra explicações da prefeitura sobre intervenção

BRT precisa de socorro urgente, especial: "Farra das Concessionárias"

Pelo menos, para mim, isso ficou bastante confuso, já que os resultados destes mesmos estudos servirão como referência para análise. 

É importante ressaltar que estamos enfrentando uma pandemia e que toda a população tem sofrido economicamente com seus profundos impactos. 

A redução da tarifa a um valor justo não apenas atinge aos indivíduos, mas também contribui com a recuperação econômica da cidade e com o esforço coletivo que vem sendo feito para que possamos reverter essa realidade.  

A LAMSA tem dificultado muito essa conciliação. A luta não tem sido fácil, mas não descansaremos enquanto não atingirmos o valor que consideramos justo: o valor revelado pelo estudo técnico da prefeitura. 

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil.

Aguarde..